Autoridades turcas detêm 20 suspeitos de terrorismo

Fonte governamental confirma que autores do ataque ao aeroporto de Istambul tinham cidadania russa, usbeque e quirguiz.

Polícia patrulha aeroporto de Istambul, dois dias depois do ataque que matou 43 pessoas
Foto
Polícia patrulha aeroporto de Istambul, dois dias depois do ataque que matou 43 pessoas Murad Sezer / Reuters

A polícia turca deteve pelo menos 20 pessoas, sob suspeita de estarem ligadas a organizações terroristas, na sequência do atentado de terça-feira no aeroporto de Istambul. As autoridades também confirmaram as nacionalidades dos três responsáveis pelo ataque que matou 43 pessoas e deixou mais de 200 feridos.

Foram conduzidas operações policiais esta quinta-feira que abrangeram 16 locais nos bairros de Pendik e Sultanbeyli, na zona asiática de Istambul, e em Basaksehir, na parte europeia. Foram detidas 13 pessoas, das quais três estrangeiros, segundo o site do jornal Daily Sabah.

Rusgas na cidade de Esmirna, na costa do mar Egeu, levaram à detenção de nove suspeitos de terem financiado, recrutado e dado apoio logístico ao autoproclamado Estado Islâmico — que as autoridades turcas acreditam estar por trás do ataque ao aeroporto.

Na terça-feira à noite, os três homens chegaram ao aeroporto internacional de Istambul e começaram por abrir fogo sobre as pessoas que se encontravam nos terminais de partidas e no das chegadas. Poucos minutos depois, fizeram-se explodir, acabando por matar 43 pessoas e fazer 239 feridos.

Os últimos dois dias têm sido de luto nacional, mas também de um aumento das medidas de segurança. No último ano, a Turquia tem sido um alvo frequente de atentados terroristas nas suas maiores cidades — só Istambul, grande ponto turístico do país, sofreu cinco ataques desde Janeiro.

O clima de insegurança vivido na Turquia tem levado o Governo a recusar a aplicação de medidas antiterroristas em linha com as preocupações da União Europeia. Bruxelas considera que as actuais leis põem em causa a liberdade de expressão e são sobretudo direccionadas para silenciar os críticos do Presidente, Recep Tayyip Erdogan. É por isso que exige que Ancara as modifique, no quadro do processo de adesão turco à UE que se arrasta há mais de uma década.

O ataque desta terça-feira veio dar mais força à posição turca. "Novas exigências em relação à Turquia iriam encorajar os terroristas. Não podemos fazer quaisquer mudanças às nossas leis antiterrorismo", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu.

A imprensa turca está também a noticiar que, no sábado, as forças de segurança abateram dois indivíduos suspeitos de terem ligações ao grupo terrorista, perto da fronteira com a Síria. Um dos homens figurava em relatórios dos serviços secretos como estando a preparar ataques na capital Ancara e na província de Adana, no sul.

Segundo um responsável do Governo turco, citado pela Reuters, os três atacantes eram provenientes da Rússia (região autónoma do Daguestão), Usbequistão e Quirguistão. Não foram dados pormenores adicionais, uma vez que os investigadores ainda se encontram a tentar identificar os restos mortais dos terroristas.

O atentado não foi reivindicado, mas os métodos escolhidos pelos atacantes — disparos indiscriminados e explosões suicidas — sugerem que terá sido um ataque organizado, ou pelo menos inspirado, pelo Estado Islâmico. A nacionalidade dos autores vem dar ainda mais força a essa suspeita.

O ataque terá sido orquestrado com a ajuda da liderança do Estado Islâmico, disse à CNN uma fonte do Governo turco. Os três atiradores terão viajado directamente de Raqqa, a "capital" iraquiana dos territórios controlados pelo grupo, para a Turquia há cerca de um mês e arrendaram um apartamento num bairro de Istambul e onde um dos atacantes terá deixado o passaporte, diz a mesma fonte.

Não é novidade que o Estado Islâmico tem conseguido impor a sua presença nas repúblicas caucasianas russas. Há cerca de um ano, o grupo declarou uma província na região, como parte da sua estratégia de expansão global.

Numa região pobre e destruída por duas guerras nos últimos 20 anos, as perspectivas de futuro para os jovens são poucas e a atracção exercida pelo Estado Islâmico tem sido elevada. Os serviços de segurança russos calculam que cerca de duas mil pessoas da Tchetchénia e do Daguestão tenham viajado para a Síria e para o Iraque para lutarem pelo “califado” proclamado pelo grupo no Verão de 2014.

Sugerir correcção