MAAT - o novo museu da EDP entre a arte e a arquitectura, uma fase de cada vez

Programação do novo Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT) abre esta quinta-feira com quatro novas exposições antes da inauguração faseada do novo edifício, entre Outubro próximo e Março de 2017. Primeira exposição temática da Colecção EDP é um dos focos.

Fotogaleria
Artists Film International Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Lightopia Daniel Rocha
Fotogaleria
O espaço da Central Tejo foi intervencionado Daniel Rocha
Fotogaleria
Edgar Martins Daniel Rocha
Fotogaleria
Obra de Vasco Araújo em Segunda Natureza Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Lightopia Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Artists Film International Daniel Rocha

Um novo museu abre esta quinta-feira ao público, no coração de um antigo museu e enquanto se prepara para ganhar uma nova casa em Lisboa. Esta matriosca são as várias fases de abertura do Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), que se estreia com duas exposições de artistas portugueses e o design a lidar com a constatação de que a luz, hoje, já não tem forma. Tudo acontece na Central Tejo, antigo Museu da Electricidade com circuito renovado, à espera do término do seu edifício vizinho que lhe vai dar mais espaço, e corpo.

Não é só fora da Central Tejo, ao lado da qual será parcialmente inaugurado, a 5 de Outubro, o sinuoso edifício ribeirinho projectado por Amanda Levete, que há obras em curso. As quatro mostras estão a ser ultimadas e o edifício, que sofreu obras de renovação, está ainda a ser maquilhado para a reabertura ao público com videoarte na Sala das Caldeiras e uma Lightopia vinda do Vitra Museum.

Assim começa a programação do MAAT, a partir de agora com entrada a 5 euros até à abertura integral do museu, com os seus dois espaços – a Central e o novo edifício, cujo projecto inicialmente gerou polémica e acabou por ser revisto – a funcionar em pleno por um preço a rondar os dez euros, anunciaram Miguel Coutinho, director-geral da Fundação EDP, e Pedro Gadanho, director do museu.

O novo museu português quis “começar já, para mostrar o que vai ser o tipo de exposições que propõe", disse Gadanho aos jornalistas, na terça-feira. Este é um “museu interdisciplinar, principalmente focado na arte contemporânea”, e muito na Colecção EDP, cerca de mil peças de arte portuguesa criadas desde os anos 1960.

Para a programação, o MAAT conta com dois milhões de euros anuais, e "é uma das poucas instituições que faz aquisições regulares" para a sua colecção, realça Gadanho.

Depois de três anos no Museum of Modern Art de Nova Iorque como curador de Arquitectura Contemporânea, Pedro Gadanho considera que um dos objectivos que o museu que agora dirige vai perseguir no panorama português é não só aumentar o espaço expositivo para os artistas contemporâneos do país, como apostar na parceria com instituições internacionais. “Ter exposições que estavam fora e que não vinham a Portugal”, como The World of Charles and Ray Eames (inicialmente prevista para Outubro, mas já reagendada para Março), que “nunca viria a Portugal se não fôssemos nós a trazê-los”, diz o arquitecto ao PÚBLICO.

E Gadanho manifesta também o desejo de que os restantes museus portugueses dedicados à arte contemporânea "continuem no activo e o mais pujantes possível, porque o ecossistema tem de ser o mais rico possível", quando questionado pelo PÚBLICO sobre eventuais lacunas que o MAAT pretenderia colmatar no início da semana, o director do museu tinha dito ao Observador que os museus dedicados à arte contemporânea em Portugal "estão a perder gás".

A colecção EDP vai ser mostrada em exposições temáticas regulares – o museu prevê 18 ou 19 mostras por ano, entre as suas duas casas e, em 2018, uma delas focar-se-á na Colecção Pedro Cabrita Reis (comprada este ano pela fundação).

Para já, há Segunda Natureza, ou a “Colecção EDP apresentada pela primeira vez em Lisboa com um olhar temático”, como explicou a co-comissária (com Gadanho) Luísa Especial. Junta Gabriela Albergaria, Alberto Carneiro, Vasco Araújo, Alexandre Estrela, Valter Vinagre ou Julião Sarmento numa reflexão sobre o impacto humano no meio e na natureza. Gadanho adianta que está a ser estudada a ida ao Brasil desta exposição.

No circuito Central Eléctrica, que era o cerne do Museu da Electricidade, conviverão agora novas linguagens com o património industrial. Lá pendem ecrãs e piscam televisores da mostra Artists Film International, comissariada por Inês Grosso, que inaugura o desejo de “ter sempre intervenções de filme e vídeo” na sala onde, em Dezembro, ficará uma exposição comissariada por Alexandre Melo em que os cineastas Apichatpong Weerasethakul e Joaquim Sapinho farão um diálogo de filmes curtos que estão a produzir.

Ainda no reino da imagem, Sérgio Mah comissaria Edgar Martins. Silóquios e Solilóquios sobre a Morte, a Vida e Outros Interlúdios, que mostra até Outubro o resultado de uma investigação de três anos no Instituto de Medicina Legal.  

Arquitectura e arte

A arquitectura está no nome do MAAT e o novo edifício do museu inaugura-se no Dia Mundial da Arquitectura – 5 de Outubro. Mas, para já, ela não está na programação da primeira fase. Estará sim no que Gadanho classifica como “exposições-manifesto”, bandeiras do que quer que o museu seja, já com ecos em Utopia/Distopia (que, em Outubro, despontará com a instalação de Dominique Gonzalez-Foerster concebida para o átrio do MAAT, e depois com exposição completa em Março de 2017), ou na sua colaboração com a Trienal de Arquitectura – o MAAT acolherá uma das exposições no Outono.

E quando, um museu para a arquitectura portuguesa?

Implantado em Belém, o MAAT está também de olho nos vizinhos. O director do museu inscreve-o numa zona com “um destino vocacional” estratégico para o chamamento de públicos e quer abordar a arquitectura no museu numa óptica de diálogo, mediação e reflexo. “Como através da arte se fazem leituras sobre a arquitectura, sobre a cidade”, exemplifica, voltando a Belém. E defende que o facto de “aqui ao lado haver uma sala permanentemente dedicada à arquitectura”, a Garagem Sul do Centro Cultural de Belém, corrobora essa opção no âmbito da oferta museológica.

Em 2017, o MAAT trará Artistes et Architecture, Dimensions variables do Pavillon de l’Arsenal, em Paris, que foca “o modo como os artistas olham para a arquitectura”, desafiando-a. Em 2018, haverá Ecovisionários, ainda em discussão “com o MAXXI de Roma, com uma instituição da Nova Zelândia e com o Bild Museet de Estocolmo”, que envolverá também artistas e arquitectos.  

Entretanto, o que parecem velas suspensas tremeluzem no espaço que mostra Lightopia. É um momento da primeira exposição internacional que o MAAT traz a Portugal vem do Vitra Design Museum, conhecido pelo seu riquíssimo espólio de design de mobiliário (mais de sete mil peças), e que, numa parceria com a Fundação EDP, se debruçou em 2013 sobre um núcleo recente de light design.

A comissária Jolanthe Kugler começou a reflectir sobre o processo revolucionário em curso da luz. “A lâmpada clássica foi banida, e tudo é LED” hoje em dia. “Já não tem forma” única. As velas são, afinal, tiras com LED tremelicantes. “Se não se desenha um candeeiro, o que se faz com a luz?”, pergunta Kugler, junto ao mapa do mundo azul que brilha mas só em algumas cidades e países: são as zonas do mundo mais ricas e, por isso, mais iluminadas. 

Sugerir correcção