Polícia encontrou pornografia e imagens com nudez no rancho de Michael Jackson

Documento policial de 2003 indica que objectos podiam ser usados para "diminuição das inibições" de jovens. Representantes do legado do músico contestam informação "falsa".

Foto

Em 2005, no final de um julgamento tão mediático quanto se poderia esperar quando o seu réu era Michael Jackson, acusado de abuso sexual de menores, o rei da pop foi absolvido. Treze anos depois, veio a público um documento, descrito e apresentado como um relatório policial de 2003, que indica que, no seu famoso rancho, o músico tinha pornografia e material que incluía nudez infantil ou adolescente.

O site Radar Online revelou terça-feira o fac-símile de um documento de 88 páginas que é atribuído ao Santa Barbara County Sheriff's Department, região onde se situa o Rancho Neverland, onde residia Michael Jackson. Nele se dá conta de uma rusga ao rancho em que foram encontrados livros com imagens, revistas e vídeos com crianças nuas e seminuas. Objectos como livros com imagens de adolescentes ou adultos que, indica o documento, “não se incluem na definição legal de pornografia infantil”, mas “podem ser usados para convencer” as potenciais vítimas “diminuindo as suas inibições”.  

A autenticidade da informação ali revelada é dada como “falsa” pelos representantes do legado de Michael Jackson, que dizem num comunicado que “já basta” de tentativas de caluniar “um artista espantoso e um activista humanitário que se dedicou a ajudar crianças necessitadas em todos os cantos do mundo”. A mesma nota indica que estas informações “foram sem dúvida calendarizadas para [coincidir com] o aniversário da morte de Michael”, há sete anos. E lembram que a “caça às bruxas” que consideram ter sido o julgamento do início dos anos 2000 teve como resultado a absolvição do músico.

Os representantes do Departamento do Xerife de Santa Bárbara, contactados por vários meios de comunicação americanos, inclinam-se para a autenticidade dos documentos, “que parecem ser cópias de relátorios da autoria do departamento”, como disse ao Los Angeles Times a porta-voz do mesmo, Kelly Hoover.