Este ano 158 jovens médicos ficaram sem vaga para fazer a especialidade

Associação Nacional de Estudantes de Medicina nota que, além dos que ficaram de fora, houve 213 que desistiram do concurso. São, assim, 317 os que não tiveram acesso a vagas.

Foto
Os jovens médicos confrontam-se hoje com uma realidade que, quando iniciaram o curso, não imaginavam Enric Vives-Rubio

Não foram 600, como inicialmente chegou a ser anunciado, mas sim 158 os jovens médicos que não conseguiram este ano vaga para a formação na especialidade (internato), revelou nesta segunda-feira a Associação Nacional dos Estudantes de Medicina (ANEM).

“O processo de escolha de vagas para especialidade médica, que decorreu de 1 a 20 de Junho, deixou este ano 158 médicos de fora, que foram confrontados com a impossibilidade de concluírem a sua formação. Um facto que a Associação Nacional de Estudantes de Medicina já expectava e para o qual tem vindo a alertar as entidades competentes”, lê-se no comunicado da ANEM. Depois de terminarem o curso e de fazerem um ano de internato geral, o chamado ano comum, os jovens médicos escolhem uma área médica em que se vão especializar ao longo de vários anos (ensino pós-graduado).

Mas, além dos 158 médicos que desta forma se vêem impossibilitados de concluir a sua formação agora, houve 213 que desistiram do concurso e se vão “somar aos candidatos do próximo ano”, sublinha-se. "Este ano verificou-se uma situação excepcional, um número muito elevado de desistências", explica André Fernandes, presidente da associação. Os candidatos que desistiram fizeram-no para evitar ficar colocados em especialidades médicas que não queriam escolher.

“Ao todo, terminámos este processo de escolha de vaga para especialização com um total de 371 médicos indiferenciados, cujas alternativas são repetir o exame ou emigrar. Seja qual for a escolha nenhuma delas é positiva dado que na primeira estaremos a agravar o problema para o próximo ano e na segunda a desperdiçar o investimento feito na formação”, destaca André Fernandes, que frisa que "apenas se está a adiar o problema". Para o ano, os que ficaram de fora agora vão juntar-se aos que também não vão ter vaga em 2017 para acesso à especialidade. "É um efeito bola de neve", lamenta.

Os jovens médicos confrontam-se hoje com uma realidade que, quando iniciaram o curso, não imaginavam: a de não terem vaga para escolher a formação da especialidade. “Até 2015, ano em que pela primeira vez assistimos a um número superior de candidatos para o número de vagas existente, o acesso à especialidade era garantido para todos os médicos candidatos”, recorda a ANEM. No ano passado, pela primeira vez, houve 114 médicos que ficaram de fora.

Este ano, a escolha teve início a 1 de Junho, e foram disponibilizadas 1675 vagas. Tinham feito a prova nacional de seriação 2253 candidatos, mas apenas foram considerados aptos 2046, porque mais de duas centenas rescindiram o contrato. Face ao resultado do concurso, repete o presidente da ANEM, apenas lhes restam três alternativas: "ou repetem o exame, ou emigram, ou continuam a trabalhar como indiferenciados".

André Fernandes recorda, a propósito, a proposta feita, no início de Março passado, à tutela (aos ministérios do Ensino Superior e da Saúde) e que vai no sentido da redução substancial do numerus clausus dos cursos de Medicina, ao longo de cinco anos. Ao fim desse período, após a redução gradual do contingente geral e do contingente de licenciados, haveria "menos 30% de vagas", ou seja, menos cerca de "500 entradas por ano", diz o presidente da associação, que reconhece que esta proposta "não é popular". O Ministério do Ensino Superior nem sequer respondeu à proposta e o da Saúde "não se mostrou muito receptivo".

Na última audição no Parlamento, o ministro da Saúde anunciou sim que vai avançar com uma auditoria externa à forma como são definidas as idoneidades (capacidades) formativas (de que dependem as vagas abertas em cada unidade de saúde) pela Ordem dos Médicos (OM). Os responsáveis da OM têm garantido que não é possível aumentar mais as capacidades formativas, mas todos os anos têm vindo a definir mais. Este ano identificaram 1675 vagas, o número mais elevado dos últimos anos.