Isabel dos Santos reforça posição na Nos

Venda de acções da Sonaecom à Zopt, detida em partes iguais por Isabel dos Santos e pela Sonae, já estava prevista.

Isabel dos Santos é sócia da PT em Angola e rival no mercado português
Foto
Isabel dos Santos na primeira assembleia geral de accionistas da Nos, em 2013 Nuno Ferreira Santos

A Sonaecom vendeu à Zopt os 2,14% que detinha de forma directa na Nos, passando assim esse capital à sociedade que é dona da operadora de telecomunicações e é controlada em partes iguais pela Sonae e pela empresária angolana Isabel dos Santos.

Em causa está a venda de cerca de 11 milhões de acções da empresa liderada por Miguel Almeida. O negócio representou um encaixe de aproximadamente 82 milhões de euros para a Sonaecom (proprietária do PÚBLICO).

A Zopt (sociedade controlada pela Sonaecom e pelas empresas da filha do presidente angolano Kento e Unitel International) passou assim a deter directamente 52,15% da Nos (mais de 268,6 milhões de acções). Antes tinha 50,01%.

Com esta operação, os dois parceiros ficam com uma posição equiparada na empresa de telecomunicações, à luz daquilo que está no acordo parassocial assinado na fusão entre a Zon e a Optimus, deixando a Sonaecom de ter uma posição directa na Nos (além do capital que detém via Zopt).

Contas feitas, a Sonae detinha directa e indirectamente 27,14% da Nos, cabendo a Isabel dos Santos 25%, de forma indirecta. Agora, a Sonae fica com 26,07%, tanto como Isabel dos Santos (ambos de forma indirecta).

A concretização desta operação sucede uma semana depois de Isabel dos Santos ter assumido a presidência da Sonangol e ter renunciado ao cargo de administradora na Nos (e em outras empresas portuguesas de que é accionista, como o Banco BIC e a Efacec) para “evitar problemas de conflitos de interesse”.