Torne-se perito

Arte e design: são precisos dois para dançar o tango em Lisboa e Elvas

Abaixo as fronteiras! Vivam o Design e as Artes é a primeira mostra da programação do Mude durante as obras de requalificação.

Fotogaleria
Sala com capa de McQueen e Um Corpo Nu Coberto de Flores II, de Rui Chafes Rui gaudêncio
Fotogaleria
Detalhe da poltrona da Colecção Corrupted Classics de John Angelo Benson, que trabalha sobre a Barcelona de Mies van der Rohe Rui gaudêncio
Fotogaleria
Amontoar em Carga e Descarga (2015), Dalila Gonçalves Rui gaudêncio
Fotogaleria
Sem título, José Pedro Croft Rui gaudêncio
Fotogaleria
Em primeiro plano, casaco Issey Miyake e sobretudo Maison Margiela atrás Rui gaudêncio
Fotogaleria
Cadeira Flying Carpet, de Ilkka Suppanen (1998) Rui gaudêncio
Fotogaleria
Espátula Ceci n’est ce pas un truelle, Philippe Starck (1998) Rui gaudêncio
Fotogaleria
Vivienne Westwood, Comme des Garçons e Ana Salazar Rui gaudêncio
Fotogaleria
Estante Piccolo Albero de Andrea Branzi Rui gaudêncio
Fotogaleria
Desenho (2009) de Diogo Pimentão Rui gaudêncio
Fotogaleria
Detalhe da escultura Sagrada Família nos Degraus (segundo Poussaint) de Rui Sanches (1982) Rui gaudêncio
Fotogaleria
Dead End #2, de João Louro Rui gaudêncio
Fotogaleria
Alexandre Farto Rui gaudêncio
Fotogaleria
Homeless, de Susana Guardado (2004) Rui gaudêncio
Fotogaleria
Parte de To Buy or Not to Be de Miguel Januário Rui gaudêncio
Fotogaleria
Valium, Joana Vasconcelos Rui gaudêncio
Fotogaleria
T0 Azul de Patrícia Garrido Rui gaudêncio
Fotogaleria
Vertical Home, Andrea Branzi Rui gaudêncio
Fotogaleria
Edgar Martins, da série The Acidental Theorist, 2006 Rui gaudêncio
Fotogaleria
Sala no Mace com peças de João Louro. Marc Newson, Dries Van Noten ou Ron Arad Rui gaudêncio
Fotogaleria
José Maçãs de Carvalho Rui gaudêncio
Fotogaleria
Fernanda Fragateiro Rui gaudêncio
Fotogaleria
Sonia Rykiel Rui gaudêncio
Fotogaleria
O Lado Escuro da Lua, 2014, de Igor Jesus Rui gaudêncio

Penumbra, uma virgem para vestir e Rui Chafes a vigiar-nos. A sala ao cimo das escadas do antigo Hospital da Misericórdia de Elvas ilumina apenas a sumptuosa capa branca com uma representação da Virgem e do Menino de Alexander McQueen e Um Corpo Nu Coberto de Flores II, de Rui Chafes, que nos observa nas suas formas tanto duras quanto sensuais num nicho altaneiro. O diálogo entre a arte e o design tem muitas formas – literalmente  e esta é servida pelo dramatismo do espaço e da escolha dos motivos, mas também pelo propósito: afinal, estamos aqui porque durante mais de um ano um museu fica sem casa.  

 Abaixo as fronteiras! Vivam o Design e as Artes é a primeira itinerância do Museu do Design e da Moda (Mude), prestes a entrar em obras de requalificação para reabertura em Setembro de 2017. E é uma exposição em dois pólos que favorece um encontro a dois entre cidades, colecções e museus. O design de equipamento e de moda da Colecção Francisco Capelo (Mude) cinge-se ao corpo da Colecção Cachola, uma dança entre uma das mais importantes colecções de design em solo português e uma das mais relevantes colecções privadas de arte contemporânea portuguesa.  

As mudanças a sério ainda não começaram da Baixa lisboeta rumo às reservas do museu de design, mas o Mude já é inquilino em duas casas – uma em Lisboa, a Sala do Risco no Páteo da Galé no Terreiro do Paço, e o Museu de Arte Contemporânea de Elvas (Mace), onde está depositada a colecção Cachola. E é no edifício do Mace que encontramos Chafes e McQueen, unidos na feliz coincidência de duas peças produzidas no ano de 1997 a pedirem leituras sobre “a representação e vivência do sagrado” numa sala revestida por um painel contínuo de azulejos que representa a vida de uma santa. E é em Lisboa que estão, por exemplo, a escultura Sagrada Família nos Degraus (segundo Poussaint) de Rui Sanches e a escova de cabelo que se torna jóia-arte de prata Mistério I  Rosário de Cristina Filipe, “talvez uma das duplas mais antagónicas na escala e nos materiais” que a comissária e directora do Mude, Bárbara Coutinho, decidiu juntar.

A consciência da acção

Arte e design. São precisos dois para dançar o tango, mas esta dupla já foi amplamente emparelhada em exposições, questionamentos e teses. Contemplação e utilidade, um debate “repetitivo e um bocadinho estéril”, diz Coutinho, que comissaria a mostra a convite de António Cachola e da subsequente relação institucional entre os museus. Andou à procura no desenho, no pensamento, na escultura, na espátula (de Philippe Starck, que muito interessou um grupo de alunos alemães que visitavam a mostra lisboeta ao mesmo tempo que os jornalistas), “do questionamento da nossa sociedade, da nossa cultura material, do nosso tempo”. Focou-se em “propor uma leitura transversal entre as peças”, independente da autoria, mas com o tempo marcado pelos anos 1980 – quando começa a colecção Cachola mas também pela “transformação muito grande de muitos dos pressupostos do design e da nossa cultura” que a década testemunhou.

“Hei-de morrer com os punhos erguidos de tanto lutar” é o que diz, em Lisboa, a frase potente do graffiti que Mauro Cerqueira captou e depois desmontou em painéis que a desorganizam e a lêem como Orrer Gue D Lutar (2009). To Buy or Not to Be, carrinho de compras em forma do sinal + de Miguel Januário (2009), o designer também conhecido como writer de graffiti Maismenos, abre a mostra em Lisboa. Seguem-se-lhe a dormência e alienação da cama Valium de Joana Vasconcelos (1998), a dor do tapete da porta de entrada com pregos Homeless, de Susana Guardado (2004), a desconstrução do casaco de Sonia Rykiel em que o trabalho final é o molde, a colagem moda de Ana Salazar ou o patchwork da Comme des Garçons e da escultura de portas gravadas de Alexandre Farto, ou Vhils. Entre Lisboa e Elvas, nesta primeira parte da programação Mude Fora de Portas, “é possível encontrar algumas linhas de força que têm vindo a marcar as diferentes disciplinas, como a consciência sobre a acção do artista e do designer na sociedade e no espaço público, que questiona, que vai para além dos seus limites”, diz Bárbara Coutinho ao PÚBLICO.

Pensar a cidade, a vivência, as artes. No pólo de Lisboa há mais instalação e escultura e pensa-se sobre o objecto e o espaço, olhando a arquitectura (o espaço aqui é desafiante, os núcleos muito juntos); em Elvas (ocupando todo o museu), as obras servem a reflexão sobre a influência da pintura no design e nas artes, nomeadamente a tradição do retrato ou da paisagem. Tridimensionalidade e bidimensionalidade, convites para olhar para o T0 Azul (1997) de Patrícia Garrido, que representa em blocos de acrílico em vários tons do céu as dimensões de um mini-apartamento que a artista medira e fotografara, por exemplo, ou o tríptico negro Blind Image #200 de João Louro que obriga a memória a resgatar os nenúfares de Monet.

Lisboa e Elvas, respectivamente, alguns momentos de encontro com peças das duas colecções em que “o curador tem muita sorte”, admite Bárbara Coutinho. Estamos em Lisboa, antes de partir para Elvas, a meio caminho entre o T0 e a Vertical Home (1994) de Andrea Branzi, designer que propõe que durmamos, comamos, leiamos e trepemos paredes acima na ocupação do espaço doméstico vertical. Uma vida em beliche e o espaço que nos une, que nos separa, mas sobretudo que se corporiza na emblemática peça de José Pedro Croft, Sem Título (1995) mas com muita semiótica naquelas duas cadeiras (Olaio) e no paralelepípedo aberto de gesso branco que materializa o ar que nos foca num diálogo.

Há obras que nunca tinham sido mostradas (Antes e Depois #4 de Miguel Ângelo Rocha, o coordenado Dries van Noten de 2000 ou o Biombo de Leonaldo de Almeida) e justapõem-se 30 anos de criação. Mais de 125 peças de quase 100 autores de diferentes nacionalidades, muitos portugueses, a tocar até meados de Setembro temas como a reutilização dos objectos e materiais, a reevocação da história da arte, da arquitectura, do design, ou a crítica social, além do mais evidente: o gesto, a acção, a transcendência do ser humano em relação ao meio.

A exposição tem vidro, cerâmica, equipamento, instalação, pintura, ou fotografia (Edgar Martins, da série The Acidental Theorist, 2006, ou Macrocefalia, de João Maria Gusmão e Pedro Paiva) e vídeo (José Maçãs de Carvalho, Gabriel Abrantes). Em Elvas, a sala inicial tem Fernando Brízio e Jean-Paul Gaultier, mas logo nos coloca num Alentejo sem fim – o horizonte à vista, recto mas ondulante, no Desenho (2009) de Diogo Pimentão em que fósforos queimados se inscrevem na parede, ou nas canetas Bic de Dalila Gonçalves que se arqueiam conforme a quantidade de tinta que encerram em Amontoar em Carga e Descarga (2015). A paisagem, portanto, tema central da pintura desde sempre, a lâmpada fluorescente de Igor Jesus (Uma Coisa Nunce Existe só, 2012) a iluminar a sala em que uma cerejeira despida é a estrutura central da estante Piccolo Albero de Andrea Branzi  e quando nos cruzamos, um piso acima, com a mesa de Starck que usa, espanto no homem do metal, um tronco de árvore sob o tampo, a Boboolo de 1985, o círculo da vida e da natureza morta na arte e no design parece completar-se. 

Sugerir correcção