Câmara de Famalicão lança bolsa de terras para promover sector agrícola

A autarquia quer apoiar a criação de novos negócios agrícolas em Famalicão
Foto
A autarquia quer apoiar a criação de novos negócios agrícolas em Famalicão Maria João Gala/Arquivo

A Câmara de Famalicão está a criar uma bolsa de terras do concelho, uma ferramenta que permitirá a promotores de projectos agrícolas de todo o país o acesso a terras para investimentos e produção, indicou hoje a autarquia.

O objectivo deste projecto é, lê-se em informação camarária, "potenciar o território rural, estimulando e regulando a oferta e a procura de terreno agrícola", sendo que tanto a autarquia como parceiros da área têm "lidado no dia-a-dia com novas pretensões de negócio".

A Bolsa de Terra de Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, permitirá que os proprietários que não utilizam os terrenos garantam mais rendimento e, ao mesmo tempo, que os promotores de projectos agrícolas tenham acesso a terras agrícolas para investir e produzir. "A autarquia pretende, com o apoio dos parceiros, valorizar as áreas agrícolas não exploradas", indica a câmara presidida por Paulo Cunha.

Este projecto, que faz parte da estratégia da autarquia famalicense para o sector agrícola, está a ser trabalhado com o apoio da Fagricoop - Cooperativa Agrícola e dos Produtores de Leite e da Frutivinhos - Cooperativa Agrícola, ambas de Famalicão: a primeira "empresta" o conhecimento sobre a área do leite e da carne, enquanto a segunda é especialista em vinhos, horticultura e fruticultura.

Em Famalicão, existem cerca de mil explorações agrícolas, sendo que grande parte do volume de negócio é representada pelas explorações do sector do leite, que são cerca de 200, sucedendo-se a carne e o vinho. Segundo dados da autarquia, a horticultura e fruticultura são "sectores em grande desenvolvimento", reflectindo a nova tendência de mercado para o consumo de produtos "do dia", traduzindo-se em projectos agrícolas "maioritariamente promovidos por empreendedores jovens" ou por "desempregados de longa duração" que criaram o seu próprio negócio.

O projecto Bolsa de Terras de Famalicão dá também sequência a um protocolo que é assinado esta terça-feira entre a câmara local, a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Médio Ave, a Fagricoop e a Frutivinhos. Com este protocolo fica acordado que os vários parceiros devem "colaborar no domínio da promoção e acompanhamento das empresas do sector instaladas, bem como no fomento à instalação de novas empresas agrícolas no concelho famalicense". Caberá à autarquia agir como um "facilitador" de forma que novos projectos agrícolas e projectos em curso sejam desenvolvidos em parceria, agilizando procedimentos.

Também são objectivos deste compromisso a promoção e capacitação da prática agrícola, a criação de parcerias com escolas, universidades e centros de investigação para a valorização das actividades e o incentivo à utilização das novas tecnologias e promoção de sistemas de exploração sustentáveis. "É objectivo destas instituições consolidar novos projetos e em conjunto promover a sua instalação e dinamização, canalizando os seus recursos técnicos para tal, aproveitando as linhas de financiamento disponíveis e o programa comunitário PDR 2020", indica, por fim, a câmara de Vila Nova de Famalicão.