Torne-se perito

Nas vindimas, Lisboa vai mostrar a todos a sua nova vinha

O novo parque vinícola da cidade foi palco da apresentação do Encontro Vinhos de Lisboa, que acontece no final do mês de Junho e se prolonga até dia 10 de Julho.

Fotogaleria
Fotogaleria

A partir de Setembro, por altura da tradicional época das vindimas, o “primeiro parque vinícola” de Lisboa irá abrir as portas à população. O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo vereador da Câmara Municipal de Lisboa, José Sá Fernandes, durante a apresentação do Encontro de Vinhos de Lisboa, no espaço do futuro parque vinícola. Actualmente, o projecto desenvolvido numa parceria entre a Câmara de Lisboa e a Casa Santos Lima encontra-se ainda em fase de conclusão. O início das obras aconteceu no verão de 2014 e as primeiras plantações em Março do ano passado.

Foi debaixo de um sol forte e no centro da vinha que Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, elogiou a iniciativa do parque vinícola, cujo sucesso atribui à “paixão e energia” de José Sá Fernandes pelo projecto. “A produção de vinhos [na região] de Lisboa era desconhecido de muitos”, reconhece Medina. Com a "Vinha de Lisboa", Medina acredita que vai passar a existir “uma ligação entre a produção [que abrange toda a zona da Estremadura] e o principal poder de Lisboa, a divulgação”. 

“Hoje Lisboa é um local fantástico. É uma montra extraordinária, para todos os produtos”, sublinha o autarca, e “este é o principal contributo que pode dar”. Para Medina, a Câmara de Lisboa contribui com “a valorização de uma marca própria, com um sentido de identidade própria e um canal de distribuição de grande dimensão e com um potencial quase ilimitado”, acredita.

Medina acredita que a aposta na atracção vinícola da cidade contribui para uma projecção de Portugal através da capital. “É essencial que o turismo não se concentre em meia dúzia de sítios na cidade de Lisboa, mas sim que seja disseminado em cada vez mais zonas, dentro da cidade, região e país”, defendeu o presidente da câmara.

“Não há ninguém que venha exclusivamente a Portugal ver Lisboa. Lisboa não existe enquanto produto turístico único e exclusivo.” Alguém que chegue à cidade, deve encontrar na capital, defende o autarca, "um conjunto de outras realidades que devem estar articuladas porque é isso que vai valorizar o nosso produto turístico como marca global”.

“O vinho está na nossa cultura”, sublinha Vasco D’Avillez, presidente da direcção da Comissão Vitivinícola da região de Lisboa, em conversa com o PÚBLICO. D’Avillez afirma que as perspectivas de crescimento da produção de vinhos na zona de Lisboa, que se entende até Leiria, são boas, uma vez que, segundo o mesmo, a exportação “tem estado a crescer a 25% ao ano, todos os anos”. No total, o volume de exportações ronda cerca de 32 milhões de garrafas certificadas.

Em relação ao número de garrafas que podem vir a sair do parque vinícola lisboeta, Vasco D’Avillez faz as contas para cerca de 25 mil garrafas, de oito castas diferentes. Isto se, alerta, “a população não vier fazer vindimas” por sua conta. Um número que, tanto mais que não seja, afirma Sá Fernandes, permite colocar o vinho da cidade nas recepções e cerimónias oficiais.

Para já, ainda não existe uma data definida, mas Sá Fernandes disse ao PÚBLICO acreditar que em 2017 se consiga fazer a primeira vindima. Antes disso chegarão as visitas guiadas ao espaço, destinadas quer a escolas, quer à população em geral, que  funcionarão através de marcação.

O Encontro de Vinhos de Lisboa acontecerá entre 30 de Junho e 10 de Julho. Até 2 de Julho, as provas e vendas de vinho acontecem no Mercado da Ribeira. Daí até dia 10 de Julho, a feira move-se para a Rua Augusta, também no centro da cidade de Lisboa.

Sugerir correcção