Torne-se perito

Quem mora no Arco do Cego desespera por ter um “cervejódromo” à porta de casa

“De dia para dia está a piorar… Ou travam isto rapidamente ou não sei”, desabafa um residente. Muitos, incluindo o vereador do CDS, defendem uma restrição de horários generalizada nesta zona de Lisboa.

Foto
Moradores sentem-se incomodados e queixam-se do barulho e lixo deixado pelos jovens Miguel Manso/PÚBLICO

Seja dia ou seja noite, o cenário não varia muito. Em ambas as circunstâncias vêem-se os passeios em frente ao Jardim do Arco do Cego, em Lisboa, e do outro lado da estrada cheios de pessoas, de tal forma que mal se consegue passar. Alguns usam os muros do jardim como assento, outros servem-se deles para pousar garrafas e copos de plástico de cerveja e há também quem urine contra eles. Pelo relvado e nas caldeiras das árvores há lixo espalhado: mais copos, garrafas em cacos e inteiras, beatas e maços de tabaco.

Os moradores da zona dizem que é assim praticamente todos os dias, a partir das cinco, cinco e tal da tarde. Ao PÚBLICO, um casal que mora junto ao jardim e que pede para não ser identificado, entrega uma pen com 25 fotografias que ilustram tudo aquilo de que se queixam. Algumas foram tiradas durante a tarde, outras já de madrugada, umas focam-se no muito lixo acumulado no espaço, outras nos jovens responsáveis por ele.

“Esta era uma zona pacata, uma das melhores para se viver em Lisboa”, lembra um dos moradores, constatando que nos últimos anos tudo mudou. A sua convicção é que isso aconteceu desde que o Instituto Superior Técnico, mesmo ali ao lado, “proibiu a venda de bebidas alcoólicas” no interior do campo universitário.

Desde essa altura, os estabelecimentos dedicados à venda de cerveja barata foram surgindo das ruas adjacentes, principalmente na Rua Dona Filipa de Vilhena. Nalguns, uma “jola” sai a 50 cêntimos, 11 podem ser adquiridas por cinco euros. Os espaços são pequenos demais para lá se permanecer e por isso as cervejas são vendidas em copos de plástico e bebidas nos passeios, à frente das portas dos prédios e debaixo das suas janelas ou do outro lado da estrada, junto ao jardim.

“Ficam em frente aos prédios, debaixo dos toldos e das garagens. Queremos passar, pedimos licença e muitas vezes somos insultados verbalmente”, descreve uma residente da zona. A venda e consumo de droga à vista de todos, o estacionamento em segunda fila e o facto de um dos acessos ao jardim estar sempre cheio de motas paradas são também motivo de lamento para esta munícipe, que de há algum tempo para cá prefere contornar todo o Arco do Cego a atravessar o espaço verde de que antes se orgulhava.   

Em meados de Maio, depois de ter sido questionado sobre o assunto na Assembleia Municipal de Lisboa, o vice-presidente da Câmara de Lisboa lembrou que em Dezembro de 2015 foi limitado para as 21h o horário de fecho de dois estabelecimentos de venda de cerveja.

Nessa intervenção, Duarte Cordeiro apontou ainda a necessidade de “ser redesenhado o espaço público do jardim”, com o objectivo de se “encontrar um espaço de convívio” para que quem frequente os espaços comerciais da zona possa “permanecer de uma forma menos conflituosa com os moradores”. Entre as alterações a introduzir, o autarca apontou a colocação de bancos e de contentores no jardim, “para suportar de forma muito mais conveniente esta actividade, não gerando o transtorno que se gera junto dos prédios”.

Ao contrário do que se poderia imaginar, as palavras do número dois de Fernando Medina não parecem ter tranquilizado os moradores desses prédios. Um deles disse ao PÚBLICO que tem o receio de que uma intervenção no sentido anunciado vá contribuir para que o Jardim do Arco do Cego se afirme em definitivo como “um cervejódromo a céu aberto”. Um problema que em sua opinião poderá agudizar-se ainda mais quando estiver concluída a transformação da antiga gare dos eléctricos da Carris (localizada numa das extremidades do espaço verde) num espaço académico, que vai ser gerido pelo Instituto Superior Técnico.

Quanto ao facto de a câmara ter imposto uma redução de horário a dois estabelecimentos, o mesmo residente nota que tal só foi conseguido porque houve uma mobilização da população e um abaixo-assinado e sublinha que é pouco. Em sua opinião, se essa redução não for generalizada o que acontece é que as pessoas mudam o sítio onde compram a cerveja mas não o local onde ficam depois a bebê-la.

É também essa a convicção do vereador do CDS na Câmara de Lisboa, que na reunião camarária desta quarta-feira vai apresentar uma moção sobre o tema. “Este Bairro Alto diurno e nocturno nas Avenidas Novas é insustentável”, diz João Gonçalves Pereira ao PÚBLICO.

“É uma zona residencial. As pessoas têm direito ao descanso””, acrescenta o autarca, defendendo que a restrição determinada pelo município no fim do ano passado não passa de “um paliativo”. “Se casuisticamente se for reduzindo os horários”, considera, o único efeito que se vai conseguir é fazer com que os jovens que enchem a área vão “de uma porta para a outra, de uma rua para a outra”.

É por isso que o vereador centrista vai pedir à câmara, como se lê na moção à qual o PÚBLICO teve acesso, que esta avalie “a urgente redução do horário de funcionamento dos estabelecimentos de comércio e restauração na zona envolvente ao Jardim do Arco do Cego para as 21h (…) corrigindo as externalidades verificadas pela decisão inicial”.

“A câmara não tem dado uma resposta eficaz a esta situação”, avalia João Gonçalves Pereira, que na sua moção fala numa “situação insólita de desrespeito da sã convivência e bem-estar” e numa “crescente e desorganizada utilização do espaço público” junto ao espaço verde, nascido em 2005, onde antes existia um terminal de autocarros.

Também os moradores, vários dos quais se uniram recentemente para criar a Associação de Moradores do Arco do Cego, querem que a câmara “olhe para os munícipes” e encontre soluções para este problema. “De dia para dia está a piorar… Ou travam isto rapidamente ou não sei”, desabafa um deles, constatando que são já muitas as pessoas que encaram a possibilidade de mudar de casa.   

Sugerir correcção