Radouan dança para criar objectos (e pôr-nos a falar deles)

Pode a dança ser funcional? Ambicionar não tanto a uma grandiosidade de movimentos quanto à criação de um objecto? Radouan Mriziga mostra na recta final do Alkantara o que pode um corpo em palco para lá da dança.

Foto

Frank Zappa e Elvis Costello terão popularizado a frase de autor incerto que compara escrever ou falar sobre música a dançar sobre arquitectura. De tanto ser repetida, a máxima gastou-se, tornou-se cliché e já pouco impressiona – ao contrário da citação de Zappa dizendo que, na eventualidade de não se encontrar um acorde suficientemente medonho para passar determinada ideia, talvez não seja má ideia recorrer à imagem de uma girafa coberta de chantilly. Acontece que a comparação raras vezes foi citada a pretexto da relação entre dança e arquitectura. Em 55, primeira coreografia do bailarino marroquino Radouan Mriziga, dança e arquitectura não são dois mundos em colisão, não são duas cornaduras embatendo com estrondo, não são duas disciplinas de quase absurda convivência, nem se deixam reduzir a uma piada de algibeira.

Criado em Marraquexe, Mriziga cresceu a tentar abraçar a sua adoração pela matemática e pelas ciências, mas estendendo o gesto para tentar abarcar também hip hop, desporto e aquilo que era físico no seu dia-a-dia. Ao descobrir a dança, percebeu que tudo isto podia ser unido do ponto de vista criativo, ainda que o verdadeiro incentivo para atafulhar a linguagem artística com todos os seus interesses só se viesse a cumprir plenamente quando se mudou para a escola P.A.R.T.S., de Anne Teresa de Keersmaeker, em Bruxelas. “Essa formação foi muito importante”, confessa ao Ípsilon, “porque durante quatro anos estive num sítio em que aprendia diferentes conhecimentos e que, ao mesmo tempo, me dava o espaço para experimentar e começar a pensar no trabalho que queria desenvolver.” Sem pressão de apresentar resultados imediatos.

55 não foi imediato. Radouan Mriziga começou a pensar no momento fundador da sua linguagem coreográfica no final de 2013, perguntando-se como poderia dar uso ao conhecimento que tinha acumulado e, em simultâneo, “pensar o corpo para lá da própria dança”. “Comecei a pesquisar todos os campos em que o corpo constrói objectos – arquitectura, escultura, engenharia, artesanato”, explica, “porque queria conseguir produzir um objecto com este corpo.” Ao encontrar-se ainda no mais precário dos inícios, com ideias rascunhadas mas sem meios para lhes dar forma, ateve-se ao processo mais elementar, tratando de toda a composição coreográfica, o desenho de luzes, o tratamento sonoro e a eleição do material mais simples para trabalhar em palco: giz e fita adesiva.

A partir deste dispositivo minimalista – um espaço vazio e um corpo que por ele se movimenta munido de giz e fita adesiva –, Radouan cria uma peça de inusitada beleza. 55 começa por parecer-se a um nada. O bailarino mexe-se pelo espaço, com gestos pouco vistosos, e por ali se passeia como se nada de maior o movesse. Mas isso acontece porque desde que entra em palco, o corpo de Radouan surge transformado em ferramenta, a operar de acordo com razões matemáticas. E isso acontece porque em marcha está a primeira tentativa de o coreógrafo pensar a dança – à semelhança da arquitectura – como funcional.

PÚBLICO -
Foto
55, dispositivo minimalista: um espaço vazio e um corpo que por ele se movimenta munido de giz e fita adesiva

Arquitectos e artesões, afirma, são as suas maiores inspirações na definição deste universo dançado com um propósito funcional. Se os artesãos criam “uma arte matematicamente exacta e bela, envolvidos física e mentalmente no trabalho que desenvolvem, mas ao mesmo tempo falando com quem está à sua volta, abertos ao mundo”, diz, então Radouan quer atingir esse mesmo patamar de uma dança que, apesar de primeiro poder parecer apenas produto de abstracção, caminha para a concretização de um propósito claro. No caso, a construção de um objecto nascido também da sua pesquisa sobre geometria islâmica.

55+3600+7=1

A beleza que irradia de 55 é, portanto, a dos gestos que, descontextualizados, nada parecem oferecer; mas que, aos poucos, à medida que Radouan faz a transição da primeira para a segunda metade da peça, atribui significado a tudo o que ficou para trás. De certa forma, 55 corre nos dois sentidos a partir de meio: inscreve uma construção no chão, visível para qualquer espectador através das marcas deixadas pelo giz e pelo rendilhado de fita adesiva, algo que vamos acompanhando de acordo com a evolução compassada da construção, ao mesmo tempo que recua no entendimento a que nos obriga de tudo aquilo antes observado e órfão de explicação.

E assim se percebe o corpo de Radouan feito ferramenta, colocado no centro de 55, confundindo o ofício de dançar com a função da medição do espaço e do tempo. Tomando o seu corpo como medida, naturalmente, é impossível não extrair daqui considerações sobre o lugar do Homem no centro da sua própria construção pessoal, com as inevitáveis consequências no posto ocupado pela religião na existência de cada um. Radouan usa-se como regra e esquadro, está no centro da construção, urdida com um rigor que se diria transcendente.

Só que, na verdade, tudo é ostensivamente mundano em 55. E o coreógrafo e bailarino, responsável pelo último dos cinco solos de dança apresentados no Teatro São Luiz, Lisboa, no âmbito da programação do Alkantara (a 8 e 9 de Junho), ambicionando “fazer algo complexo”, tenta colocar a mira também sobre a recusa de uma grandiosidade sacrossanta. Pelo contrário, ao ir buscar a memória de infância dos artesãos que observava a dar forma às suas peças, é a fragilidade que tenta desenterrar no passado, é a construção de um objecto aspirando à beleza mas que nada tem de sagrado. O seu carácter funcional e utilitário não permitiram que fosse de outra maneira. “A arte está a tornar-se cada vez mais sagrada, mas questiono essa posição que me parece excessiva”, comenta.

55 é o primeiro capítulo de uma trilogia de relação entre dança e objectos que continua com 3600 e culminará em 7. A matemática não esconde a sua importância nos títulos escolhidos por Radouan, mas os números significam também algo de seguro para o marroquino. “Sou um estrangeiro a viver noutro lugar [Bruxelas] e, portanto, a comunicação através da linguagem é uma questão importante para mim. Na vida social, na vida quotidiana é assim que comunico, mas quando quero dar algo de mim artisticamente não confio assim tanto na linguagem.” Cinco é o número dos pontos de que precisa para a construção que empreende em 55, assim como dos magnetofones que bolçam fragmentos musicais que valem tanto pelos sons como pela contagem do tempo que informa Radouan.

Em palco, como via aos artesãos, tudo é feito de uma beleza frágil e transitória. Um gesto em falso e tudo pode desmoronar. Só que enquanto resiste…