Orçamentos rectificativos “não são um drama”, o importante “é haver um rumo”, diz Marcelo

O Presidente desdramatizou as previsões em baixa da OCDE e garantiu que o Governo vai “necessariamente” cumprir o défice de 3%.

Marcelo em Sintra, durante a visita à Base N.º 1 da Força Aérea
Marcelo em Sintra, durante a visita à Base N.º 1 da Força Aérea Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria

Marcelo Rebelo de Sousa desdramatizou esta quarta-feira as previsões da OCDE relativamente ao crescimento da economia portuguesa, afirmando que elas se enquadram na realidade europeia e dos países da OCDE e garantindo que Portugal irá cumprir as metas orçamentais e chegar ao fim do ano com um défice inferior a 3%. Se para isso for necessário um Orçamento Rectificativo, o Presidente afirma que isso acontecerá sem qualquer “drama”.

Saindo em defesa do Governo, o chefe de Estado sublinhou que “o fundamental é haver um rumo”. E ele é muito simples, disse: “Conter o défice abaixo de 3% e garantir o rigor financeiro, saindo do procedimento por défice excessivo. É um compromisso que este Governo vai necessariamente cumprir”, afiançou, e que salientou ser um rumo comum ao Governo anterior. E desdramatizou: “Já aconteceu com governos anteriores: se isso obriga a ajustamentos, se obriga a rectificações, se obriga a Orçamentos Rectificativos, eles aparecem, não são um drama, são fruto de lucidez”.

Marcelo lembrou que, na terça-feira, os números do Instituto Nacional de Estatística foram “melhores que o esperado” e salientou que as contas da OCDE são ainda previsões. “Há uma coisa comum: as previsões por toda a Europa estão a ser revistas para baixo. Têm de ser acompanhadas de factos”, disse.

Mas adiou a necessidade de rever os números contidos no Orçamento do Estado. “A execução orçamental está dentro do que estava programado”, afirmou. “Veremos os factos daqui a um mês, dois ou três confirmam as previsões. O que for preciso ir fazendo em cada momento daqui até ao fim do ano será feito”.

O Presidente da República falava aos jornalistas em Sintra, no final de uma visita à Base N.º 1 da Força Aérea, o último ramo militar que visitou desde que tomou posse de um cargo em que é também, por inerência, Comandante Supremo das Forças Armadas. Ali passou algumas horas, quase sempre entre aviões, mas resistiu a qualquer trocadilho ou piada política. Nem sequer quis experimentar o sofisticado simulador de voo em que os estudantes da Academia da Força Aérea praticam: “Nunca fiz essa experiência, seria insensato fazê-la sem a formação básica”, disse.

Atento às explicações, não apressou a demonstração, demorou-se entre os Chipmunks e os Epsilon de treino dos pilotos aviadores, e entrou em vários dos aviões estacionados na Base Aérea, incluindo os famosos Falcon que estão à disposição do Governo e da Presidência da República para deslocações de Estado. Marcelo ainda não recorreu nenhuma vez ao seu uso, mas horas depois iria fazer o seu primeiro voo num avião da Força Aérea: um P-3C, um grande avião de patrulhamento marítimo que, juntamente com os submarinos, patrulha a Zona Económica Exclusiva do país.

Seria a última etapa da visita à Força Aérea e juntaria o útil ao agradável: a caminho do Porto, onde na quinta-feira tem agenda oficial, o Presidente teria oportunidade de ver, em pleno voo nocturno, todas as capacidades da aeronave, com o radar de grande alcance, ao mesmo tempo que participaria numa missão de defesa aérea: o P-3C iria simular tratar-se de um avião não-identificado, e como tal seria interceptado pelos caças F-16.

Segundo o Presidente da República, na Força Aérea não haverá, como no Exército ou na Marinha, necessidades tão prementes de equipamento, uma vez que o seu reforço já está previsto na Lei de Programação Militar, mas salientou que algumas das naves em utilização vão ser descontinuadas e que a sua substituição terá, a prazo, de ser acautelada.