2017, ano Yves Saint Laurent de Paris a Marraquexe

Dois museus, um em Marrocos e outro em Paris, serão inaugurados no Outono do próximo ano para mostrar a obra e os espaços favoritos do costureiro francês.

Fotogaleria
Yves Saint Laurent no seu atelier, em Setembro de 1961: o estúdio do costureiro no número 5 da Avenue Marceau vai pela primeira vez estar acessível ao público AFP
Fotogaleria
Le Smoking reinventou o vestuário masculino para as mulheres REUTERS
Fotogaleria
Um dos vestidos da colecção Mondrian AFP
Fotogaleria
Em 2002, Saint Laurent foi homenageado com um desfile retrospectiva no Centre Pompidou, onde foi saudado pela modelo Laetitia Casta e pela estrela e amiga Catherine Deneuve JEAN-PIERRE MULLER/afp
Fotogaleria
Um dos Mondrian de Saint Laurent, na época em que foi leiloado Luke MacGregoR/REUTERS
Fotogaleria
Um dos vestidos da colecção Mondrian, que foi a leilão CARL COURT/AFP
Fotogaleria
O projecto do Musée Yves Saint Laurent Marrakech (mYSLm) studio OK
Fotogaleria
Jack Dabaghian/REUTERS

O próximo ano será o ano Yves Saint Laurent – dois museus com o nome do histórico costureiro de peças únicas e artista do pronto-a-vestir emancipador da mulher vão nascer no Outono de 2017. Um em Paris, outro em Marraquexe. Um na sua casa de sempre, a Fondation Pierre Bergé-Yves Saint Laurent, que reabrirá como museu dedicado à vida e obra do companheiro de Bergé em Paris, outro em Marraquexe, cálida localização da segunda casa do designer de moda onde um projecto arquitectónico do Studio KO está já a despontar.

Saint Laurent, autor do Le Smoking feminino (1966), das colecções que até hoje inspiram os nossos verões (como a Safari, só para dar um exemplo) ou de vestidos que se tornaram emblemas do cruzamento entre artes plásticas e moda (o Mondrian, de 1965), morreu em 2008 com um tumor cerebral. O seu sócio e companheiro de vida encarregou-se desde então de gerir o seu legado e a sua colecção, quatro décadas de vestuário que agora se dividirão entre França e Marrocos.

Tudo sobre Yves

Bergé será o curador do museu parisiense, onde ficarão expostas cerca de 70 peças do vasto arquivo da Fundação – uma selecção rotativa feita a partir dos cerca de cinco mil exemplares de alta-costura e 15 mil acessórios do costureiro francês. As obras no local duplicaram o espaço expositivo e recuperaram salas emblemáticas que até agora só os funcionários e os amigos próximos conheciam. Os visitantes terão pela primeira vez acesso ao estúdio e aos salões de alta-costura, bem como a milhares de esboços, fotografias e objectos ligados à actividade do antigo aprendiz de Christian Dior, como os blocos de notas onde cada peça e a sua cliente são listados. Princesas, estrelas de cinema, ícones, as horas que cada peça demorou a fazer, bilhetes de identidade de várias eras juntam-se a protótipos de vestidos e outras peças valiosas que resultam de um esforço de conservação pensado desde o início da actividade, como confirma Pierre Bergé ao jornal especializado Women’s Wear Daily: “Nenhuma das outras casas o fazia… Eu fi-lo desde o primeiro dia porque acreditava que Yves Saint Laurent seria o maior costureiro do final do século XX."

No estúdio estarão também os reconhecíveis óculos de massa preta de Saint Laurent, residentes permanentes do primeiro piso do número 5 da Avenue Marceau, onde trabalhou durante 30 anos.

Entrevista a Pierre Bergé: Um homem de negócios, de esquerda, homossexual, implicado e de sucesso. E quanto! 

Já na Rue Yves Saint Laurent, em Marraquexe, ficarão cerca de 150 peças, 50 das quais em exposição rotativa, mas haverá mais espaço para uma programação variada – a primeira exposição será dedicada ao pintor Jacques Majorelle. O novo edifício projectado pelo atelier de arquitectura francês Studio OK contemplará, no interior da sua tessitura pensada para evocar a construção de um vestido couture, um espaço expositivo de 400 metros quadrados concebido por Christophe Martin, uma biblioteca para investigação com cerca de cinco mil livros e um auditório com 130 lugares.

No total, o Musée Yves Saint Laurent Marrakech (mYSLm) terá uma área de cerca de quatro mil metros quadrados numa das cidades que mais inspirou o costureiro; as suas cinzas foram aliás depositadas no Jardim Majorelle, onde ainda em vida criou um museu dedicado à cultura berbere.