El Chapo quer negociar série televisiva com Netflix

O barão mexicano de droga exige ter uma palavra sobre o conteúdo para autorizar obra

Foto
Joaquín Guzmán foi preso em Janeiro REUTERS/Henry Romero

O barão de droga mexicano Joaquín Guzmán, conhecido como El Chapo, ameaça levar à justiça a série televisiva sobre a sua vida que foi anunciada pelo Netflix. A não ser que o serviço online aceite negociar e chegar a um preço com a condição de o narcotraficante ter influência sobre o conteúdo. 

Joaquin Guzmán “não está morto, não é um personagem do domínio público, ele está vivo e deve dar a sua autorização”, afirmou um dos seus advogados, Andrés Granados, em declarações à Rádio Formula.

O advogado ameaçou ir para tribunal caso o Netflix, canal de filmes e séries online, e outras estações de televisão não tenham a autorização do seu cliente. Outros dois projectos para séries biográficas do barão da droga foram já anunciados, um pela Univision, canal hispânico líder nos Estados Unidos, e outro pelo canal História.

A ameaça foi feita, mas já com condições em cima da mesa. O narcotraficante, que foi preso no passado mês de Janeiro seis meses após ter escapado de uma prisão, está disposto a iniciar negociações e chegar a um preço para dar autorização às séries, segundo o seu advogado.

As conversações passam pelo conteúdo da série e as suas consequências para a sua defesa, já que ainda pode recorrer da decisão das autoridades mexicanas da extradição para os Estados Unidos.

O poderoso chefe do cartel de Sinaloa, o mais importante do continente americano, foi procurado durante anos por tráfico de droga e por homicídio. Foi um dos foragidos mais conhecidos da história e a revista Forbes incluiu-o na lista de homens mais ricos do mundo.  

Ainda sem dar muitos detalhes, a Netflix anunciou há poucos dias a intenção de realizar a série que estaria pronta em 2017.