Decana dos carteiristas do Porto condenada a pena de prisão suspensa

Mulher de 85 anos foi novamente apanhada a furtar uma carteira na Queima das Fitas. Juíza decidiu dar-lhe uma última oportunidade.

Joaquina Gonçalves, conhecida como “Quina carteirista”, está há muito referenciada pelas autoridades
Foto
Joaquina Gonçalves, conhecida como “Quina carteirista”, está há muito referenciada pelas autoridades Fernando Veludo/NFactos

Uma mulher de 85 anos foi condenada nesta quarta-feira a cinco meses de prisão, pena suspensa na sua execução por um ano, por furtar uma carteira no Porto, crime semelhante a outros que já tem no cadastro criminal.

"Vai-lhe ser dada uma última oportunidade. Por isso, se voltar a praticar crimes, vai mesmo presa", disse a magistrada do Tribunal de Pequena Instância Criminal do Porto.

O furto foi consumado durante o desfile do Cortejo Académico do Porto, a 3 de Maio. Joaquina Gonçalves, conhecida como “Quina carteirista” e já referenciada pelas autoridades, foi então apanhada em flagrante por agentes da PSP a furtar a carteira a uma mulher que assistia ao desfile da neta.

Durante o julgamento, que começou no dia 18, a arguida negou a acusação, afirmando que "é tudo mentira" e que "nunca" roubou nada a ninguém. A suspeita explicou que ia apanhar o comboio quando deu um pontapé no que parecia ser um telemóvel, mas depois viu que era uma carteira e que o objectivo era entregá-la à polícia.

Já a vítima contou que estava a assistir ao cortejo tranquilamente e que não se apercebeu de nada, tendo sido os agentes policiais a avisá-la do sucedido.

A juíza considerou que as declarações da arguida não mereceram "credibilidade alguma" e não correspondem com aquilo que foi descortinado pelos agentes policiais.

A carteirista, residente em Ermesinde, no distrito do Porto, já foi detida dezenas de vezes, mas nunca cumpriu pena de prisão efectiva, tendo duas condenações a penas de multa.

"As penas de multa não foram suficientes para a afastar da prática dos mesmos crimes, daí a necessidade de prevenção e da aplicação de uma pena de prisão", considerou a magistrada.

Em 2015, a arguida foi detida a furtar a carteira a uma senhora de 92 anos, também no Cortejo Académico do Porto, mas a vítima desistiu da queixa, fazendo com que esta não fosse a julgamento.