Opinião

Da vergonha alheia que se sente ao ver telejornais

As televisões em geral — e a RTP devia ser, mas não é, excepção — primam pelo sectarismo da sua cobertura.

Há inúmeras maneiras de descrever um acontecimento, mesmo que se respeite a verdade dos factos - ou melhor, mesmo que haja um esforço para não distorcer qualquer facto. Meia dúzia de testemunhas de boa fé de um mesmo acontecimento podem apresentar narrativas diferentes do mesmo.

Porquê? Porque, sempre que descrevemos um acontecimento, temos de criar uma narrativa (a realidade não vem acompanhada de uma legenda, como os quadros numa exposição) e a narrativa que cada um de nós constrói é influenciada pela nossa experiência, pelos nossos valores e desejos. O que pode variar? Pessoas diferentes começam a narrativa em pontos diferentes, valorizam diferentes aspectos do acontecimento, constroem diferentes fluxos narrativos, escolhem diferentes testemunhos, seleccionam diferentes excertos desses testemunhos, apresentam esses testemunhos de forma diferente, acrescentam diferentes comentários explícitos ou implíctos, usam um estilo diferente, exibem emoções distintas, diferente linguagem corporal e expressões faciais, etc. Tudo isto faz parte do B-A-BÁ do jornalismo ou da historiografia. E as ciências sociais há séculos que nos alertam para os limites da objectividade. O acontecimento morre sempre no momento. Depois dele, apenas sobram narrativas, que seleccionam e valorizam diferentes vestígios desse acontecimento.

Mesmo que conseguíssemos fazer uma descrição objectiva de um dado acontecimento singular, o retrato que faríamos da sociedade seria sempre enviesado, porque não podemos relatar tudo e a escolha daquilo que relatamos deforma radicalmente o retrato que produzimos. Publicamos todas as notícias sobre desigualdade? Ou as notícias sobre os namorados daquela cantora? Perguntamos todos os dias o que Pedro Passos Coelho pensa? Continuamos a seguir a guerra na Síria ou já chateia tanta criança morta? Recolhemos a reacção desta organização ou da outra? Que factores escolhemos para explicar a evolução da dívida pública?

Isto significa que fazer um jornalismo como deve ser feito - independente dos poderes, que não tenta beneficiar determinado grupo, que faz um retrato justo do mundo, que trata todas as fontes de forma leal - é difícil.

Mas então é impossível fazer uma descrição honesta da realidade? Não, significa apenas que essa deve ser uma preocupação constante.

Vem isto tudo ainda a propósito do polémico segmento do telejornal de há umas semanas onde José Rodrigues dos Santos explica, à sua maneira, como evoluiu a dívida pública portuguesa. É evidente que se trata de uma explicação enviesada, que selecciona certos dados e escamoteia outros, que possui como subtexto a ideia de que a dívida é da responsabilidade exclusiva dos governos do PS. Esse subtexto recorre a dados verdadeiros mas é desonesto porque escamoteia tudo o que não valida a tese do pivot e, por isso, o segmento inscreve-se no que se chama “propaganda”, algo de que os jornalistas se devem abster, mas é curioso verificar que as críticas feitas a JRS foram classificadas pelo próprio e por outros campeões da objectividade como “censura”. Porque é que isso é curioso? Porque essa reacção prova que o segmento de JRS não foi uma falha inconsciente, que o próprio estaria disponível para corrigir, mas um gesto intencional, um enviesamento deliberado.

A verdade é que as televisões em geral - e a RTP devia ser, mas não é, excepção - primam pelo sectarismo da sua cobertura. Ver um telejornal é sempre um exercício de sofrimento e de vergonha alheia. Sectarismo nos temas escolhidos, nos testemunhos que recolhem, nas opiniões que valorizam, nos comentários que solicitam. Um sectarismo que se caracteriza pela defesa geralmente subtil, às vezes nem isso, das posições mais reaccionárias e mais próximas dos poderes fácticos mais poderosos. O segmento de JRS sobre a dívida não é mais nem menos sectário do que todos os outros feitos pelo próprio e, por isso, não merece maior escândalo. O que merece indignação é que a RTP continue a não conseguir praticar um jornalismo respeitável e independente.

Que a SIC tenha como editor o alegre propagandista José Gomes Ferreira tem de se aceitar como mais um castigo dos mercados. Que a RTP pública imite o que de pior se faz no jornalismo televisivo e se sinta obrigada a convidar para todos os seus painéis um direitista de serviço do Observador (nem sequer identificado como tal), lamenta-se.

Há bom jornalismo na RTP, mas ele aparece sempre nos interstícios de um discurso que não foge da narrativa hegemónica da direita neoliberal, dos terrores dos “mercados” aos ralhetes de Bruxelas, da respeitabilidade da banca aos riscos em que uma política de esquerda nos coloca.

José Rodrigues dos Santos diz, em resposta às supostas pressões, e bem, que o jornalismo deve ser independente do Governo. Eu também acho. Teria gostado que ele próprio o tivesse sido no governo anterior e gostaria que o fosse agora. Mas duvido que saiba como isso se faz.