Espião português apanhado a vender segredos de Estado a russo

Cada segredo custaria cerca de dez mil euros. Investigação resultou de denúncia do secretário-geral das secretas.

Fotogaleria
Bandeira russa com a cara de Vladimir Putin ALEXANDER NEMENOV/AFP
Fotogaleria
Inspectores da PJ acompanharam o espião a Itália Daniel Rocha

Um espião português do Serviço de Informações de Segurança (SIS) foi detido no passado sábado em Roma a vender segredos de Estado a um cidadão russo, que estaria ao serviço das secretas russas. O funcionário do SIS é um sénior, que tinha acesso privilegiado a informação dentro daquele serviço, onde trabalhava há mais de 20 anos. Foi apanhado a vender documentos classificados que, segundo a agência Lusa, estarão relacionados com segurança, nomeadamente da União Europeia e da NATO. Cada segredo render-lhe-ia cerca de dez mil euros.

A Unidade Nacional Contra Terrorismo da Polícia Judiciária anunciou esta segunda-feira ter acompanhado as detenções e, em comunicado, adianta que a investigação ocorreu na sequência de uma denúncia do secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP) ao Ministério Público. A queixa feita pelo secretário-geral do SIRP, Júlio Pereira, à Procuradoria-Geral da República (PGR) teve que ser autorizada pelo então primeiro-ministro, Passos Coelho, que permitiu o levantamento do segredo de Estado.

Os dois detidos são suspeitos dos crimes de espionagem, corrupção e violação de segredo de Estado e estão em prisão preventiva a aguardar a extradição para Portugal. Os encontros entre os dois suspeitos (este não seria o primeiro) realizavam-se sempre no estrangeiro e, muitas vezes, eram sujeitos a alterações de última hora.

A investigação, que é dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal, foi iniciada no ano passado. “A investigação iniciou-se na sequência de procedimentos de segurança levados a cabo pela Direcção do Serviço de Informações de Segurança (SIS), tendo o secretário-geral de Informações da República Portuguesa (SIRP) participado factos ao Ministério Público que apontavam para a existência de suspeitas da prática de um crime de espionagem, por parte de um funcionário, a favor de um serviço de informações estrangeiro”, refere a PJ, em comunicado.

A PGR adianta, numa outra nota, que neste inquérito “investigam-se suspeitas de transmissão de informações, a troco de dinheiro, por parte de um funcionário português a um cidadão estrangeiro supostamente ligado a um serviço de informações estrangeiro”.

A nota da PJ dá conta de que a “complexa e sensível operação” decorreu desde o final da passada semana e findou este domingo. Os investigadores aperceberam-se que o espião ia viajar na passada quinta-feira e, em apenas algumas horas, montaram uma operação. Na bagagem levavam dois mandados de detenção europeus e uma carta rogatória com pedido de cumprimento antecipado de diligências de recolha de prova. Seguindo o espião, os inspectores conseguiram perceber quem era o seu contacto, tendo acompanhado o encontro com as autoridades italianas.

“Fruto da excelente articulação entre o Ministério Público, a Polícia Judiciária e o Serviço de Informações de Segurança, bem como ao nível da cooperação internacional com as autoridades italianas, foram detidas duas pessoas, em Roma, pela presumível prática dos crimes de espionagem, corrupção e violação de segredo de Estado”, afirma a nota daquela polícia.

A Polícia Judiciária indica ainda que deslocou inspectores seus a Itália, que acompanharam a operação levada a cabo naquele país pela Divisione Investigazioni Generali e Operazioni Special da Polícia do Estado italiana. A operação contou igualmente com a colaboração da Interpol e do Eurojust.

O comunicado da PGR adianta que foram realizadas, igualmente, buscas domiciliárias em Portugal. O Ministério Público acrescenta aos crimes de espionagem e corrupção o de branqueamento de capitais.