O estranho caso da “bandeira arco-íris” desaparecida da Câmara de Lisboa

Bandeira para celebrar luta contra homofobia foi hasteada na varanda da câmara. Mas desapareceu, tendo entretanto reaparecido noutro edifício camarário.

Foto
Cidadãos por Lisboa

Com a intenção de celebrar “o primeiro dia nacional contra a homofobia e a transfobia”, esta terça-feira de manhã “a bandeira arco-íris” foi hasteada nos Paços do Concelho da Câmara de Lisboa. Poucas horas depois, por razões que o presidente do município diz desconhecer, a bandeira foi, no entanto, retirada.

Foram os vereadores João Afonso e Paula Marques, ambos dos Cidadãos por Lisboa, que hastearam a bandeira. As fotografias tiradas para assinalar o momento foram divulgadas na página do movimento no Facebook, numa publicação na qual se fala numa “marca visível para uma luta que faz sentido numa cidade que se quer solidária e inclusiva”.

O problema é que poucas horas depois “a bandeira arco-íris” já não lá estava. O alerta foi feito pela presidente da Assembleia Municipal de Lisboa na reunião que está a decorrer esta terça-feira à tarde.

“São gestos que são maus sinais”, afirmou Helena Roseta, que pediu explicações sobre o assunto ao presidente da câmara. Em resposta, Fernando Medina garantiu que tinha dado “indicações expressas” para que a bandeira fosse hasteada, acrescentando que desconhecia a razão pela qual ela tinha sido entretanto retirada. O autarca fez ainda saber que deu novas indicações para que ela seja de novo colocada na varanda dos Paços do Concelho.

Já depois da resposta dada durante a sessão da assembleia municipal, Fernando Medina informou, através da sua assessoria de imprensa, que a bandeira já se encontra de novo hasteada. Nos Paços do Concelho? Não: a bandeira está agora, como comprova uma fotografia mostrada aos jornalistas, em frente ao edifício da câmara no Campo Grande.

Questionado sobre o porquê da mudança, a assessora do autarca desvalorizou. "É câmara também. Agora está resolvido", disse, acrescentando depois que "provavelmente" era no Campo Grande que devia ter sido hasteada desde o início.

Quanto ao facto de a bandeira ter sido retirada da Praça do Município, a mesma fonte limitou-se a responder: "O que aconteceu foi um lapso. Alguém tirou." 

 Fernando Medina transmitiu entretanto aos jornalistas, por mensagem escrita, que "houve uma confusão ontem entre os Paços do Concelho e o Campo Grande. Uns entenderam Paços outros Campo Grande e daí ter erradamente saído" da Praça do Município. "Como agora já estava no Campo Grande, aí ficou, até porque aí há bastante visibilidade e muita circulação de pessoas", acrescentou.

Notícia actualizada às 18h00: Dá conta do reaparecimento da bandeira.