CP prepara plano de contingência para o Verão na linha do Douro

Atraso na entrega de automotoras espanholas obriga CP a suprimir comboios. Empresa tem vindo a usar autocarros por falta de material circulante.

Renato Cruz Santos
Foto
Renato Cruz Santos

A falta de material circulante a diesel na linha do Douro tem levado nos últimos dias a CP a suprimir alguns serviços, a substituir comboios por autocarros, ou a aumentar o número de paragens em circulações que eram para ser rápidas. Tudo isto somado com atrasos, numa altura em que a época alta está a começar e a procura por motivos de turismo naquela linha tem vindo a aumentar.

Na origem desta situação está o atraso na entrega de três automotoras alugadas à operadora ferroviária espanhola Renfe, que colocou a CP numa situação dramática na gestão do material circulante no Minho e no Douro. As três automotoras em falta, que só estarão disponíveis em Agosto, virão completar o lote de 20 unidades que a CP alugou à Renfe.

Nesta quinta-feira, a CP anunciou em comunicado que vai reforçar a partir de 15 de Junho o parque de material da Linha do Douro com uma automotora adicional e ainda com uma composição formada por locomotiva e carruagens. Esta última (que tem ainda acoplado um furgão gerador para fornecer energia eléctrica ao sistema de ar condicionado), pode ser aumentada com mais carruagens para responder aos picos de procura dos grupos que sobem o rio de barco e regressam ao Porto de comboio (e vice-versa).

Os grupos têm sido, precisamente, um dos segmentos aos quais a empresa tem tido dificuldade em dar resposta por causa da falta de comboios. Recentemente, uma escola de Barcelos viu recusada pela CP a venda de um bilhete de grupo para 153 alunos com destino a Caldas de Aregos (Resende), tendo o estabelecimento de ensino acabado por recorrer ao transporte por autocarro.

A falta de material circulante e o recurso ao aluguer de automotoras espanholas ocorre depois de décadas em que a empresa vendeu para sucata dezenas de carruagens, locomotivas e automotoras a diesel que desafectou do serviço comercial. À época estes actos de gestão pareciam correctos porque esperava-se que as linhas férreas fossem electrificadas, mas tal não veio a acontecer e a CP ficou sem material que ainda poderia durar mais umas décadas.

Ainda assim, a empresa possui dezenas de carruagem de reserva, que não estão a ser utilizadas e que acabam por se degradar, aumentando os seus custos de recuperação caso sejam chamadas ao serviço. Foi o que aconteceu com o Comboio do Vinho do Porto, composto por carruagens quase panorâmicas destinadas a fazer percursos no Douro e cuja modernização custou um milhão de euros. Hoje este comboio jaz num ramal de Contumil sujeito a vandalização. 

A CP não nega estas limitações e diz, no mesmo comunicado, que “recorre diariamente a toda a sua capacidade humana e recursos materiais para ultrapassar as dificuldades e garantir o transporte das populações, ainda que com recurso a soluções que, por vezes, não correspondem às expectativas, nem dos clientes, nem da empresa”.

Outro dos problemas desta linha são as carruagens grafitadas, o que é particularmente grave quando o motivo da viagem é turístico e não se consegue apreciar a paisagem através das janelas cujos vidros estão pintados. Questionada pelo PÚBLICO, a CP diz que “já estão identificados os pontos críticos da infra-estrutura onde estes actos [graffitagem] ocorrem com mais frequência e está-se a procurar formas de reforçar os meios de vigilância dentro das disponibilidades existentes”.