Torne-se perito Crítica

De corpo inteiro

Um filme que existe por e para o seu actor – e que actor.

Foto

Não seria nada má ideia que todos aqueles que se prostram perante as interpretações habitualmente premiadas com Óscares pusessem os olhos no que Vincent Lindon faz em A Lei do Mercado – para perceber que “o verdadeiro artista” não está forçosamente a fazer número para a câmara nem precisa de mostrar que está a ser actor. Bem pelo contrário: a gama de emoções vividas pelo actor francês dilacera o espectador bastando para isso que Lindon esteja ali, de corpo inteiro, sem precisar de abrir a boca.

A mera presença física sempre em tensão, o olhar de animal enjaulado que procura uma saída chegam e sobram para fazer passar o desespero de um homem apanhado no carrossel infernal do desemprego, a procurar que a sua dignidade não soçobre pelo meio das pequenas humilhações diárias. O desempenho de Lindon encontra companheiro à altura na câmara nervosa de Éric Dumont, mas não conseguimos evitar sair de A Lei do Mercado com a sensação de que é por e para Lindon que o filme existe, e que com outro actor a abordagem de Stéphane Brizé correria o risco de ser apenas mais um melodrama social na esteira seca dos irmãos Dardenne.

Sugerir correcção