Toda a história da detenção do diplomata português em Bruxelas

Ia para uma reunião de trabalho, acabou detido por tirar uma fotografia

Era um dia como tantos outros, em Bruxelas. Rui Boavida, de 40 anos, diplomata da Reper – Representação Portuguesa naquela cidade, começava o dia de trabalho com uma reunião na sede do Conselho da Comissão Europeia. À entrada da Praça Schuman, aponta o smartphone para o edifício envidraçado e dispara uma fotografia. Em pano de fundo: o edíficio europeu com alguns carros à volta, incluindo um da polícia.

Sem qualquer aviso, depressa se envolve numa perseguição a pé para fugir a um agente que lhe pediu o telemóvel, sem mais explicações. “Dá-me o telemóvel!” O diplomata, especialista em questões internacionais da energia e segurança energética e que já viveu na China e em Singapura, só parou de correr quando o polícia o apanhou para o algemar.

Encostado às traseiras de um carro, já sem carteira e sem telemóvel, o português continuou a gritar: “Estão a levar-me porque tirei uma fotografia. Então? Isto é a sério?” Mas, nessa altura, o agente, e outros seis que se juntaram, já tinha visto a sua identificação ao peito. Foi algemado, metido numa carrinha, filmado.

A espectacularidade da cena fez com que o vídeo captado por transeuntes se tornasse viral nas redes sociais, a começar pelo Twitter. Foi o correspondente da Euronews James Franey que twitou as primeiras imagens. “Aconteceu um incidente bizarro esta manhã. A polícia de Bruxelas deteve este diplomata português. Reper diz que ele tirou foto a edifício da UE”, escreveu.

Ao que o PÚBLICO apurou, foi a própria Reper, depois de ter conhecimento do “bizarro incidente”, que tentou localizar Rui Boavida numa das esquadras da cidade. Encontrou-o 40 minutos depois e estabeleceu contactos de forma a resolver a questão com toda a celeridade. O português acabou por ser libertado, depois de um contacto do consulado.

A justificação da política belga para o caso é que "o alerta terrorista de nível amarelo proíbe tirar fotografias" aos edifícios públicos. Mas a questão não é consensual. Aliás, a brutalidade policial é um assunto na ordem do dia, na Bélgica. Em Março deste ano, centenas de pessoas participaram numa marcha contra a violência dos polícias, onde estiveram a União Sindical Estudantil, o Feminismo Libertário Bruxelas, a Leuven Anarchiste Groep, as Juventudes Libertárias da Bélgica e militantes antifascistas.

Para já, a Reper dá o caso como “sanado”.