Sócrates e Costa juntos na inauguração do túnel Marão

Governo convidou ex-primeiros-ministros para estarem presentes na inauguração do túnel do Marão. Sócrates disse que sim, Passos Coelho disse que não.

Túnel do Marão foi transferido do antigo concessionário para Estradas de Portugal a 2 de Julho
Foto
Túnel do Marão foi transferido do antigo concessionário para Estradas de Portugal a 2 de Julho PAULO PIMENTA

José Sócrates e António Costa vão estar lado a lado na cerimónia de inauguração da auto-estrada do Marão, no próximo sábado. O convite foi feito pelo Governo aos ex-primeiros-ministros que estiveram envolvidos na obra, mas Passos Coelho recusou estar presente, confirmou ao PÚBLICO fonte do Governo.

O ex-primeiro-ministro socialista foi parco em palavras, confirmou apenas que "aceitou o convite que o Governo fez", disse ao PÚBLICO o assessor de imprensa do antigo chefe de Governo. Não é, no entanto, especificado se foi um ministério ou o próprio primeiro-ministro a fazer o convite, porque este é feito em nome do Governo.

Com esta presença, será a primeira vez que os dois estarão juntos em público, desde que António Costa é primeiro-ministro. A última foi quando António Costa foi visitar José Sócrates ao Estabelecimento Prisional de Évora. A altura não era conveniente. António Costa tinha acabado de ser eleito líder do PS e tentou de imediato separar as águas entre a política e a justiça. Logo a seguir à detenção do ex-primeiro-ministro, suspeito de crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção, Costa enviou uma mensagem aos militantes do partido dizendo que "os sentimentos de solidariedade e amizade não devem confundir a acção política do PS".

O distanciamento de Costa, amigo e ex-ministro do seu Governo, não foi do agrado de José Sócrates. Em entrevista à TVI questionou: "Ao fim de seis meses, eu realmente o que contava não é que o PS interviesse no processo, mas que o PS dissesse: 'Desculpem, mas não será o momento de apresentarem as provas? Acham que isto não passou já a mais? Não acham que o PS está a ser prejudicado por isto?'". A resposta foi seca. "Felizmente a crítica no PS é livre", disse Costa.

José Sócrates foi convidado por ter sido no seu mandato que foi lançada a obra, em 2008. Mas não foi o único. Além de Sócrates, também Passos Coelho recebeu um convite por ter tido uma intervenção directa no projeto do Túnel do Marão. Mas o ex-governante declinou porque já tinha agendado para este sábado uma conferência sobre o futuro da Europa, que se insere na comemoração do 42.º aniversário do PSD. 

Esta auto-estrada, entre Vila Real e Amarante, foi lançada em 2008, pelo Governo socialista de José Sócrates, como uma parceria público privada, mas a obra só arrancou um ano depois, em 2009. Na altura, o primeiro-ministro salientou que a via iria "acabar com a ideia de que haverá pessoas para cá do Marão ou para lá do Marão", considerando tratar-se de uma "obra histórica que ligará Trás-os-Montes à rede de auto-estradas do país" e que "marcará um antes e um depois".

Em 2011, pouco tempo depois de Passos Coelho tomar posse à frente do Governo, os trabalhos na auto-estrada pararam em toda a extensão. O Executivo PSD/CDS resgatou a obra dois anos depois, a empreitada foi concluída pela Infraestruturas de Portugal e abre ao trânsito às 0h de domingo. A nova auto-estrada era a maior obra pública em curso no país, teve um investimento global de 398 milhões de euros, dos quais 89 milhões de euros são financiamento comunitário, e o preço das portagens vai dos 1,95 euros para veículos de classe 1 até aos 4,90 para veículos de classe 4. Mas os autarcas já vieram pedir a isenção das portagensCom Lusa