O melhor lugar da vida política de Baltazar Rebelo de Sousa

Em Junho de 1968, quando esperava vir a ser ministro da Educação, o pai de Marcelo foi escolhido por Salazar para governador-geral de Moçambique. Os filhos reuniram-se em conselho familiar para avaliar o convite.

Foto
Baltazar Rebelo de Sousa, à chegada a Moçambique, em Julho de 1968 DR

Sete anos depois de sair do Governo, onde tinha estado como subsecretário de Estado da Educação, Baltazar Rebelo de Sousa, então com 47 anos, foi chamado pelo presidente do Conselho, António Oliveira Salazar, para uma conversa. Entrou a pensar que ia ser ministro, saiu, três horas depois, como um desafio: ser governador-geral de Moçambique. Era quase Verão e corria o ano de 1968.

Baltazar, filho-neto de um africanista (quando nasceu, o pai já tinha 61 anos), chegou a casa a dizer: “África chama por nós.” Mas ainda teve de se submeter ao veredicto familiar. Os três filhos reuniram-se para analisar o assunto e Marcelo, o mais velho, foi o porta-voz: “É como convidá-lo a atirar-se para um de dois poços. Mas mal por mal, antes Moçambique, que corresponde a um sonho e a uma vocação sua e oferece o mínimo de possibilidades de fazer obra útil.”

Moçambique acabou por ser “o melhor lugar da sua vida política”, como referiu Marcelo na fotobiografia que lançou sobre o pai em 1999. Aí, Baltazar foi uma espécie de primeiro-ministro do território com grande protagonismo e ainda maior autonomia. Retomou o hábito de vestir a farda civil de governador, que não era usada há mais de 20 anos, e inaugurou um estilo de política-espectáculo, mais afectiva do que racional, mais impulsiva do que calculista, muito aplaudida pelo povo, mas algo criticada pela classe alta.

É nessa proximidade das bases que Marcelo faz lembrar o pai, na sua faceta de governador. A iniciativa Portugal Próximo, que o filho Presidente da República inaugurou em Abril, no Alentejo, teve a sua inspiração na ideia do Governador Aberto, que o pai lançou em Moçambique. Os banhos de multidão que o filho viveu na campanha, viveu-os o pai nas permanentes incursões pelo país além-Lourenço Marques (actual Maputo). De avião ou de carro, Baltazar Rebelo de Sousa passava metade da semana na rua, a visitar escolas, mercados, repartições de finanças, correios, hospitais, etc. Num ano, esteve 165 dias fora da capital. A mulher, Maria das Neves, formada em assistência social, assumiu o cargo de primeira-dama e desempenhou-o com a mesma dedicação.

O casal Rebelo de Sousa passou dois anos em Moçambique e viveu no Palácio da Ponta Vermelha, com os dois filhos mais novos, António e Pedro. Marcelo já estava na universidade, razão pela qual ficou em Lisboa, aos cuidados da avó e sob a supervisão do "padrinho" Marcello Caetano, com quem jantava todas as semanas. Visitou várias vezes os pais no Palácio da Ponta Vermelha, mas sempre em ocasiões festivas, como o Natal.

Salazar nunca chegou a receber feedback da passagem de Baltazar por terras ultramarinas. Menos de dois meses depois de o novo governador aterrar em Lourenço Marques, foi operado a um hematoma craniano na sequência de uma queda, em Agosto de 1968, e perdeu faculdades – acabaria por ser substituído por Marcello Caetano. Salazar veio a morrer em 1970, quando Baltazar já havia regressado a Portugal para ser ministro das Corporações e Previdência Social e ministro da Saúde e Assistência. Foi nesta qualidade, aliás, que assinou a certidão de óbito de Salazar.

Anos depois do 25 de Abril e após um período de exílio no Brasil, o casal Rebelo de Sousa voltou a Moçambique, em 1991. Nessa altura, passeou pelos jardins em flor do Palácio da Ponta Vermelha e participou num jantar a convite do Presidente de então, Joaquim Chissano. Marcelo Rebelo de Sousa passará por lá num dos cinco dias da sua visita de Estado a Moçambique. Sem fazer do passado presente. “Esta não será uma viagem conduzida pelo passado”, disse o Presidente da República ao semanário Expresso.