Os guerrilheiros do Atlético de Madrid feriram o exército do Bayern Munique

Um golo solitário bastou para que o emblema espanhol se colocasse em vantagem na primeira mão das meias-finais da Liga dos Campeões. Alemães pressionaram na segunda parte mas não marcaram.

Saúl Ñiguez festeja o golo do Atlético de Madrid
Foto
Saúl Ñiguez festeja o golo do Atlético de Madrid SERGIO PEREZ/Reuters

“Na guerra, não ganha quem tem mais soldados, mas quem utiliza melhor os soldados que tem”, disse na véspera do duelo desta quarta-feira à noite, entre o Atlético de Madrid e o Bayern Munique, o treinador argentino do emblema espanhol. E foi o exército mais pequeno, com menos armamento e menor poder de fogo que ganhou a batalha — a primeira mão da meia-final da Liga dos Campeões. Resta saber se a guerra será mesmo ganha pelos homens de Diego Simeone.

Para já, o Atlético tem motivos para festejar. Saiu ileso do embate com o poderoso Bayern, graças, acima de tudo, à iniciativa individual do espanhol Saúl Ñiguez, nos minutos iniciais da partida. O jovem de 21 anos pegou na bola pouco depois do meio-campo, deixou por terra dois adversários e disparou de forma indefensável, inaugurando o marcador logo aos 11’.

Assistia-se ao melhor período dos “colchoneros”, que entraram em campo determinados em causar estragos o mais cedo possível, utilizando uma espécie de táctica de guerrilha: a surpresa. Ñiguez (3’) e Torres (8’) foram os primeiros a ameaçar a baliza de Neuer nesta fase. Recorrendo a uma pressão alta e a um futebol veloz o Atlético conseguiu confundir o adversário nos primeiros 15 minutos, baralhado com tantos jogadores a correrem à sua volta, e foi graças a esta estratégia que o Bayern sofreu o seu primeiro — e único — “ferimento”.

Depois de ter colocado o joelho no chão, a equipa de Pep Guardiola foi aos poucos recuperando a postura. Apesar de ter ganho apenas por duas vezes nas últimas 12 deslocações que fez a Espanha e de ter empatado os seus últimos dois jogos fora na Champions (frente à Juventus e ao Benfica), o Bayern não perdeu a cabeça. Reagrupou as tropas e depois do intervalo surgiu mais forte. Durante meia-hora empurrou para junto da sua baliza o Atlético, que soube sofrer. Alaba, num “tiro” de muito longe, ainda acertou na barra da baliza à guarda de Oblak, naquela que foi a mais flagrante ocasião de golo dos bávaros em todo o encontro, mas o Atlético esquivava-se como podia dos golpes do opositor.

Oportunista, a equipa da casa esteve muito perto de matar o jogo e, muito provavelmente a eliminatória, num contra-ataque esporádico e quase bem sucedido: Griezmann aproveitou uma perda de bola alemã para, no momento certo, assistir Torres, que tirou um adversáro da frente e rematou para acertar no poste (na recarga Koke denunciou o remate e permitiu a defesa a Neuer).

Pouco depois, o árbitro assinalava o fim do jogo, com o Atlético a conseguir manter um registo quase perfeito nos jogos europeus que tem realizado no seu estádio — venceu 25 dos últimos 30, sendo que a última derrota foi com o Benfica (2-1) na fase de grupos desta edição da Champions.

Do outro lado da barricada ficou um Bayern que, como já é habitual, terminou a partida com muito mais posse de bola do que o seu opositor — ontem o registo foi de 69% contra 31% — mais remates efectuados — 15 contra 7 — e a convicção de que, em Munique, conseguirá derrotar o Atlético, apesar de a equipa madrilena não ter sofrido qualquer golo nos seus últimos cinco jogos. Uma crença que assenta em números impressionantes. No seu terreno o Bayern venceu todos os seus últimos 11 embates para a Liga dos Campeões, tendo marcado 41 golos e sofrido apenas seis.

“No próximo fim-de-semana vamos tentar ganhar o campeonato e depois pensaremos no jogo com o Atlético [que se joga dia 3 de Maio]”, disse Pep Guardiola, a poucos dias de abandonar a liderança do clube germânico, rumo ao Manchester City. Uma despedida que pode ficar para a história, já que se vencer a Bundesliga, o Bayern será o primeiro emblema a ser tetracampeão germânico e se ganhar a Champions, Guardiola conquistará o único troféu que ainda não levantou ao serviço dos bávaros. Resta saber se terá “tropas para tanta guerra”.