O caso do amigo consultor

Diogo Lacerda Machado acabou por ser contratado pelo Governo, que vem representando em negociações importantes.

Foto
Diogo Lacerda Machado DR

Foram três dias de questionamento constante ao primeiro-ministro: afinal, qual é o papel desempenhado por Diogo Lacerda Machado, advogado e amigo de António Costa, nas principais negociações do Estado? Os tiros visaram o coração do Governo, o próprio gabinete do chefe do executivo, mas foi o próprio primeiro-ministro a disponibilizar, involuntariamente, o alvo. Foi António Costa que, numa entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, contou que ia celebrar um contrato com o negociador que representou o Governo, a título informal, nas negociações com a TAP, com os lesados do BES e no caso BPI/Isabel dos Santos e, com isso, desencadeou o caso.

Nos dias seguintes, o nome de Diogo Lacerda Machado, secretário de Estado da Justiça quando António Costa foi o ministro responsável pela pasta, num Governo de António Guterres, não saiu das páginas dos jornais e das críticas dos partidos.

Os pedidos de justificações multiplicaram-se e não se ficaram apenas pela oposição. O PSD levantou o assunto a reboque da entrevista, exigindo conhecer o contrato e falando em falta de transparência, mas Bloco de Esquerda e PCP também se juntaram às exigências — os bloquistas chegaram a dizer que não queriam “ministros-sombra”.

E foi no mesmo dia em que os parceiros de esquerda que apoiam o executivo fizeram perguntas e exigiram saber mais, que António Costa emitiu um comunicado, escrito na primeira pessoa, a explicar os contornos do contrato. O primeiro-ministro agradeceu o trabalho de Diogo Lacerda Machado e contou que este terá um contrato de prestação de serviços para consultoria que lhe valerá um vencimento de dois mil euros brutos por mês. Ainda assim, o “negociador” está convocado para prestar esclarecimentos no Parlamento, no dia 27, na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Sugerir correcção