Verhoeven, Guiraudie, Dolan, Mendoza ou Almodóvar competem em Cannes

O Festival de Cannes prepara-se para a sua 69.ª edição com George Miller como presidente do júri.

Fotogaleria
Isabelle Huppert num dos filmes mais aguardados: Elle, de Paul Verhoeven, que é um dos HeróisIndie do IndieLisboa
Fotogaleria
Julieta, de Almodóvar
Fotogaleria
Juste la Fin du Monde, de Xavier Dolan
Fotogaleria
Money Monster, de Jodie Foster, será exibido fora de concurso
Fotogaleria
Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, com Sónia Braga
Fotogaleria
The Neon Demon, de Nicolas Winding Refn

A abertura do 69.ª edição do Festival de Cannes (de 11 a 22 de Maio) vai ser feita com Café Society, de Woody Allen, exibido fora de competição, como já tinha sido anunciado. Mas hoje foi justificado: "Woody Allen em Cannes é como Molière na Comédie-Française, temos fidelidade a este cineasta”, disseram Thierry Frémaux e Pierre Lescure durante a conferência de imprensa de apresentação da Selecção Oficial. Pierre Lescure é o presidente do Festival, Frémaux é o delegado-geral.

Serão 20 os filmes em competição: Toni Erdmann de Maren Ad; Julieta de Pedro Almodóvar – já estreado em Espanha, mas cuja campanha de promoção foi parcialmente anulada devido à revelação dos Panama Papers e da inclusão do nome do realizador no "escândalo"; American Honey, de Andrea Arnold; Personal Shopper de Olivier Assayas, um dos vários franceses em concurso, sendo os outros Ma Loute, de Bruno Dumont, Mal de Pierres, de Nicole Garcia e Rester Vertical de Alain Guiraudie (cineasta que fez um dos acontecimentos do Un Certain Regard de 2013 com O Desconhecido do Lago, e certamente por isso sobe à competição); Juste la Fin du Monde, de Xavier Dolan (depois de partilhar o Prémio do Júri, com Godard, em 2014, como não poderia voltar a ser apetecível pelos seleccionadores?); Paterson de Jim Jarmusch; Aquarius, do brasileiro Kleber Mendonça Filho, com Sónia Braga; La Fille Inconnue, dos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne - todos os filmes dos irmãos são intercepções de “filles inconnues”, e é verdade que o par que já duas vezes venceu a Palma de Ouro vem deixando sempre em Cannes a sensação de déjà vu, como aliás acontece com Ken Loach (I, Daniel Blake); Ma' Rosa de Brillante Mendoza; dois romenos que são sempre de se ficar alerta, Bacalaureat, de Cristian Mungiu (Palma de Ouro em 2007 com 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias) e Sieranevada, de Cristi Puiu; Loving, de Jeff Nichols; Agassi, de Park Chan-Wook; The Last Face de Sean Penn; The Neon Demon, de Nicolas Winding Refn, que já foi elevado aos píncaros e já foi rebaixado em Cannes; e Elle de Paul Verhoeven, em que Isabelle Huppert é violada por um mascarado, passa o filme à procura dele e no terceiro acto há uma reviravolta – uma das ferozes heroínas de Verhoeven, por certo, e se o filme não vai estar presente no ciclo que o IndieLisboa organiza sobre a obra do realizador, podemos imaginar nela, Huppert, uma descendência de personagens femininas ferozes da obra do cineasta holandês, da Renée Soutendijk de Spetters e de O Quarto Homem, à Carice van Houten de O Livro Negro, passando pela Sharon Stone de Instinto Fatal.

Fora de concurso, destacam-se Spielberg (Disney’s the BFG), Jodie Foster (Money Monster), Albert Serra (La Mort de Louis XIX), Paul Vecchiali (Le Cancre), e Exil de Rithy Panh.

A lista de estrelas pode também começar a ser feita: Kristen Stewart, Ryan Gosling, Russell Crowe, Charlize Theron, Javier Bardem, Adam Driver, Adèle Exarchopoulos, Marion Cotillard, Vincent Cassel, Léa Seydoux, Adèle Haenel, Fabrice Luchini, Juliette Binoche, Valeria Bruni-Tedeschi, Huppert... Este ano haverá muitas, disse Frémaux, mas lembrou duas coisas: que a escolha do filme de abertura deste ano recaiu num realizador, Woody Allen, que trata todos os seus actores da mesma maneira, e se calhar por isso todos querem trabalhar com ele, e que se há um corrupio na passadeira vermelha nas sessões de gala que é muito importante para a presença pública dos festivais na imprensa generalista, os fotógrafos estão em Cannes também para fotografar as equipas dos filmes de cinema de autor.

Uma novidade: é a primeira vez que não haverá filme de encerramento no festival. "Há na história de Cannes filmes de encerramento que foram marcantes, como por exemplo a sessão com Thelma & Louise", disse Frémaux. "Mas é verdade que nesse dia já há menos media e menos gente”, por isso fica sempre no ar o clima de fim de festa. O último filme a ser exibido será aquele que tiver ganho a Palma de Ouro.