Michael Sharman | Flickr
Foto
Michael Sharman | Flickr

Megafone

“Experimenta engravidar e verás o que te acontece”

A geração que nasceu nos anos 80 está hoje agrilhoada a uma realidade que a transtorna a toda a hora

Sem nomes nem indícios que possam incriminar alguém injustamente, mas eis um facto: há meia dúzia de dias, uma rapariga comenta com uma amiga que pretende engravidar, tendo cometido o grave delito de partilhar com a sua entidade patronal essa vontade tão humana, tão bela, tão digna. Do lado de lá, a resposta veio pronta: “Estás a contrato, portanto experimenta engravidar e logo vês o que te acontece”. Temerosa, refugiou-se no auxílio da amiga que, na infeliz verdade, nada mais podia fazer senão ouvir.

Esta história não é singular. Num momento ou noutro, todos já ouvimos algo semelhante. Uma mulher perto dos trintas (ou já lá chegada) que pretende aumentar a família e, quando se dá a boa e alegre nova, a ameaça de um despedimento ou a sombra do desemprego paira de imediato sobre a existência da sua pré-família.

Perante este cenário, a alternativa é sempre só uma: adiar. E, como se não bastassem as limitações orçamentais, eis outro problema gigantesco, o de ter um elemento totalmente externo ao casal que determina quando e como se pode ter um filho. Claro que a liberdade de cada um estará na consciência de cada um, dirão os ditadores, perdão, os chefes em causa, e todos farão conforme lhes convier. Mas a gravidez, para além da instabilidade pessoal e no que à saúde diz respeito, passa a acarretar um outro temor, o de se perder a minúscula estabilidade laboral e financeira que os casais contemporâneos já ostentam.

Para mais, também é de uma hipocrisia monstra que sucessivos governos e governantes (centrais e locais) tenham vivido sob a bandeira da chamada promoção da natalidade quando, na verdade, pouco ou nada fizeram junto do tecido empresarial para proteger as mulheres que pretendam planear a construção de uma família. Senhores que mandam nas coisas, prestai atenção: a ganhar 500 euros ao mês, ninguém consegue sobreviver com rendas de casa, contas de luz e água ou compras para fazer (sim, porque a gente come, são luxos!), quanto mais trazer uma alma nova para este planeta. Especialmente com um tirano a ameaçar que há muita mulher à procura de emprego que está solteira e sem trecos atracados ao lombo.

A geração que nasceu nos anos 80 está hoje agrilhoada a uma realidade que a transtorna a toda a hora: para além das contas que não consegue liquidar, ainda quer seguir os passos dos antepassados e tentar dar-lhes descendência, mas há terceiros que lhes domam e determinam as próprias vidas, quais donos disto tudo.

E quem governa, das duas uma: ou não está ao corrente desta realidade (e é difícil acreditar nisso) ou está de conluio com os senhores do pilim. É simplesmente mais um capítulo na saga “quem governa não protege os governados”. O lado bom disto é que, dentro de cento e tal anos, os historiadores hão-de escrever crónicas heróicas sobre quem queria ter filhos e não podia, não conseguia, não era autorizado. Isto, claro, se a geração de hoje for capaz de parir (e educar) os historiadores de amanhã.