Gás lacrimogéneo e canhões de água na estreia do estádio do Besiktas

Polícia de Istambul em confrontos com alguns adeptos do clube turco na abertura do Arena Vodafone.

Fotogaleria
Yasin Akgul/AFP
Fotogaleria
Yasin Akgul/AFP
Fotogaleria
Yasin Akgul/AFP
Fotogaleria
Ozan Kose/AFP
Fotogaleria
Ozan Kose/AFP

O primeiro dia competitivo do novo estádio do Besiktas, o Arena Vodafone, foi manchado nesta segunda-feira quando a polícia turca utilizou gás lacrimogéneo e canhões de água para tentar conter alguns adeptos do clube turco. A inauguração oficial do recinto foi realizada no domingo, um dia antes do jogo com o Bursaspor, algo que terá desagradado a alguns sectores de apoiantes. 

Os incidentes foram desencadeados a meio da tarde, à entrada para o estádio, situado perto do Bósforo na margem europeia de Istambul, horas antes do encontro que opõe o líder do campeonato ao nono classificado, o Bursaspor. Por razões ainda desconhecidas, a polícia terá utilizado canhões de água e gás lacrimogéneo para dispersar os adeptos, sendo que alguns responderam com o arremesso de garrafas.

O Besiktas preparava-se para disputar o seu primeiro jogo no novo recinto, em obras desde 2013, situado perto do Palácio Dolmabahçe, que acolhe os gabinetes do primeiro-ministro. Dotado de mais 40.000 lugares, o Estádio Arena Vodafone havia sido oficialmente inaugurado no domingo, na presença do presidente da Turquia, Recep Erdogan, e do primeiro-ministro, Ahmet Davutoglu, num acto que decorreu um dia antes da data prevista.

Esta antecipação terá desagradado a algumas facções de apoiantes do Besiktas, que a encararam como uma manobra destinada a evitar eventuais manifestações de adeptos mais críticos do poder político. De resto, a principal claque do Besiktas, os Carsi, foi sempre muito activa na contestação ao Governo e, em 2013, 35 dos seus membros foram mesmo acusados de tentativa de golpe de Estado.

No primeiro encontro da nova vida do Arena Vodafone, da 28.ª jornada da Superliga turca, o Besiktas venceu por 3-2, com dois golos do alemão Mario Gómez, e consolidou a liderança da prova, com 66 pontos, mais seis do que o segundo classificado, o Fenerbahçe, que tem menos um jogo.

Sugerir correcção