“Saco azul” do GES confirmado na investigação das offshores

A existência da ES Enterprise foi pela primeira vez referida pelo PÚBLICO em 2014 no quadro de uma investigação que concluiu que durante vários anos o Grupo Espírito Santo usou este veículo para proceder a “pagamentos extras” e “não documentados”.

Ricardo Salgado foi afastado do banco depois do escândalo das contas do BES
Foto
Ricardo Salgado foi afastado do banco depois do escândalo das contas do BES Enric Vives-Rubio

O Expresso e a TVI revelam que a ES Enterprises, usada como saco azul do GES para pagamentos fora dos circuitos oficiais, consta dos Panama Papers. Um dos nomes referidos é o de Ricardo Salgado, que movimentou fundos através do Estado centro-americano.

A existência da ES Enterprises foi pela primeira vez referida pelo PÚBLICO a 7 de Novembro de 2014 (e a 12/12/2014) no quadro de uma investigação que concluiu que durante vários anos o Grupo Espírito Santo (GES) usou este veículo para proceder a “pagamentos extras” e “não documentados”. Os fundos transitavam entre várias praças financeiras, nomeadamente Suíça, Luxemburgo, Miami e Panamá.

O PÚBLICO referia então que a confirmação do “saco azul” do GES era susceptível de abrir uma outra frente de inquirições que podia culminar em novas revelações sensíveis. A ES Enterprises terá ainda servido para fazer circular verbas provenientes de Angola, designadamente, associadas a “contas” de Ricardo Salgado, do construtor José Guilherme e do presidente da Escom, Hélder Bataglia.

O Ministério Público está há mais de um ano a averiguar o quadro de acção do veículo, o que poderá ajudar à clarificação das relações entre elementos do núcleo duro do GES e entidades fora da esfera familiar, nomeadamente políticas. Tal como o PÚBLICO noticiou na altura, a ES Enterprises, que nunca constou do organograma oficial do GES, recebia fundos via sociedades suíças (veículos Eurofin) e as verbas movimentadas poderão estar perto dos 300 milhões de euros, quantia confirmada pelos Panama Papers expostos pelo Expresso e pela TVI.

Já antes, a 21 de Junho, 3 e 23 de Julho de 2014, o PÚBLICO mencionava a existência de buscas nas sucursais do BES de Nova Iorque e Miami onde se procurava documentação e suporte informático associado a operações relacionadas, nomeadamente, com as unidades da Venezuela e do Panamá. No BES Miami e no BES Panamá, uma das figuras que fazia a articulação das operações do BES nestas geografias era Jorge Espírito Santo, do núcleo do grupo do GES. A outra era o contabilista Machado da Cruz, que Ricardo Salgado acusou de ter ajudado a ocultar dívida de ESI no valor de 1300 milhões de euros.

Segundo o Expresso e a TVI, os documentos da investigação Panama Papers indicam que a firma de advogados Mossack Fonseca fazia a gestão fiduciária da ES Enterprises desde 2007 (e tinha, por isso, a documentação relativa aos anos anteriores) e também que criou mais de 300 empresas offshore relacionadas com o universo Espírito Santo.

O Grupo Espírito Santo tinha quatro empresas fiduciárias (a ES Services, a Gestar, a Eurofin e o Banque Privée Espírito Santo), que recorriam à Mossack Fonseca para criar empresas offshore. O esquema funcionava numa complexa cascata: a ES Enterprises era, de acordo com a investigação, dona de outras empresas offshore, que por sua vez também detinham outras empresas. Muitas, porém, não tinham sede no Panamá, mas sim noutros paraísos fiscais, como é o caso de Niue, uma minúscula ilha no Pacífico Sul, das Ilhas Virgens Britânicas, das Bahamas e de Samoa.