Convento de São Francisco apresenta programação para “concorrer” com CCB e Serralves

Equipamento que vai (re)abrir as portas em Coimbra na sexta-feira, 8 de Abril, quer posicionar-se como grande centro cultural.

Convento de São Francisco remodelado
Foto
Convento de São Francisco remodelado Sérgio Azenha

O Convento de São Francisco – o mais recente espaço cultural de Coimbra, que vai receber o espectáculo inaugural na sexta-feira, 8 de Abril – assume a vontade de concorrer com estruturas como o Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, ou a Casa Serralves, no Porto.

“O CCB e a Casa Serralves passam a contar com mais um parceiro e, em certos casos, com um concorrente”, disse esta terça-feira o presidente do município, Manuel Machado, na apresentação da programação para o trimestre de abertura do convento de Coimbra.

Apesar de, para o ano de 2016, o Convento de São Francisco ter um orçamento de 1,5 milhões de euros (1 milhão para despesas correntes e meio milhão para programação), Manuel Machado considera que é possível assumir essa posição com “engenho e arte”.

No Orçamento do Estado para 2016, a tutela prevê uma dotação de 19 milhões para o CCB. O centro cultural de Lisboa conta com orçamento de 3 milhões de euros só para custos de produção. “Melhor que ter dinheiro é ter crédito”, referiu o autarca, destacando as qualidades da estrutura coimbrã. “O espaço [só por si] não realiza os eventos, mas são melhor acolhidos. Começámos a competição quando adquirimos a concha acústica, [uma componente] valiosa e necessária”, exemplificou.

Quando questionado sobre a estratégia cultural para o novo espaço, Manuel Machado disse não ser defensor desse conceito. “Estratégia cultural é um determinismo, é um inibidor, um controlador da cultura”, justificou, acrescentando que a “estratégia política” do executivo é impulsionar a cultura para servir as vertentes social e económica.

Em relação ao trabalho em rede com os municípios da região, tal como acontece com a Fundação de Serralves, a vereadora da Cultura de Coimbra, Carina Gomes, defendeu que “para haver colaboração entre as várias autarquias" não tem que "haver um convite formal”. “Há mecanismos como a Comunidade Intermunicipal da Região Centro”, mencionou.

A três dias da abertura, a bilheteira ainda não está operacional. Carina Gomes explica que “uma série de procedimentos” está a ser ultimada para que tanto a bilheteira online como a física estejam a funcionar “até ao final desta semana, ou início da próxima”. Até lá, os interessados poderão fazer pré-reservas por contacto telefónico e email.

Há ainda concursos públicos a decorrer para áreas técnicas e comunicação da estrutura, mas Manuel Machado defendeu que são processos em curso que “têm os timings definidos no código dos contratos públicos”. Sobre essa questão, o autarca esclareceu ainda que a câmara tem “equipas que podem dar conta do recado” e que vão sendo “reforçadas à medida das necessidades”.

Pelo Convento de São Francisco, espaço sob gestão da autarquia, passarão durante o primeiro trimestre de funcionamento nomes como Benjamin Clementine e Michael Nyman, na música, e companhias como O Bando e o TAO Dance Theater. A programação de Abril a Junho inclui concertos, peças de teatro, performances e conferências.

Os responsáveis realçam que, em Portugal, este complexo é dos poucos que agrega numa mesma estrutura as características de “grande sala de espectáculos, de grande área expositiva e de grande centro de congressos”.