Na cabeça criativa de nove arquitectos

Como é o processo de trabalho dos arquitectos portugueses? Uma exposição e um ciclo de conferências na Gulbenkian querem ajudar a perceber.

Fotogaleria
Centro Sociocultural da Costa Nova (2016), do atelier ARX, em Ílhavo FG + SG
Fotogaleria
Centro Sociocultural da Costa Nova (2016), do atelier ARX, em Ílhavo FG + SG
Fotogaleria
Centro Sociocultural da Costa Nova (2016), do atelier ARX, em Ílhavo FG + SG
Fotogaleria
Centro Sociocultural da Costa Nova (2016), do atelier ARX, em Ílhavo FG + SG
Fotogaleria
Centro Sociocultural da Costa Nova (2016), do atelier ARX, em Ílhavo FG + SG
Fotogaleria
Centro Sociocultural da Costa Nova (2016), do atelier ARX, em Ílhavo FG + SG
Fotogaleria
Museu Iberê Camargo (2008), de Álvaro Siza, em Porto Alegre (Brasil) Arquivo Álvaro Siza
Fotogaleria
Museu Iberê Camargo (2008), de Álvaro Siza, em Porto Alegre (Brasil) Arquivo Álvaro Siza
Fotogaleria
Museu Iberê Camargo (2008), de Álvaro Siza, em Porto Alegre (Brasil) Arquivo Álvaro Siza
Fotogaleria
Museu Iberê Camargo (2008), de Álvaro Siza, em Porto Alegre (Brasil) Arquivo Álvaro Siza
Fotogaleria
Igreja de Santo António (2008), de Carrilho da Graça, em Portalegre FG + SG
Fotogaleria
Igreja de Santo António (2008), de Carrilho da Graça, em Portalegre Hisao Suzuki
Fotogaleria
Igreja de Santo António (2008), de Carrilho da Graça, em Portalegre Hisao Suzuki
Fotogaleria
Igreja de Santo António (2008), de Carrilho da Graça, em Portalegre Hisao Suzuki
Fotogaleria
Igreja de Santo António (2008), de Carrilho da Graça, em Portalegre FG + SG
Fotogaleria
Casa das Histórias (2009), de Eduardo Souto de Moura, em Cascais Luís Ferreira Alves
Fotogaleria
Casa das Histórias (2009), de Eduardo Souto de Moura, em Cascais Luís Ferreira Alves
Fotogaleria
Casa das Histórias (2009), de Eduardo Souto de Moura, em Cascais Luís Ferreira Alves
Fotogaleria
Casa das Histórias (2009), de Eduardo Souto de Moura, em Cascais Luís Ferreira Alves
Fotogaleria
Casa das Histórias (2009), de Eduardo Souto de Moura, em Cascais Luís Ferreira Alves
Fotogaleria
Casa das Histórias (2009), de Eduardo Souto de Moura, em Cascais Luís Ferreira Alves
Fotogaleria
Casa das Histórias (2009), de Eduardo Souto de Moura, em Cascais Luís Ferreira Alves
Fotogaleria
Centro Cívico do Centro Histórico (2012), de Gonçalo Byrne, em Leiria Paulo Catrica
Fotogaleria
Centro Cívico do Centro Histórico (2012), de Gonçalo Byrne, em Leiria Paulo Catrica
Fotogaleria
Centro Cívico do Centro Histórico (2012), de Gonçalo Byrne, em Leiria Paulo Catrica
Fotogaleria
Centro Cívico do Centro Histórico (2012), de Gonçalo Byrne, em Leiria Paulo Catrica
Fotogaleria
Centro Cívico do Centro Histórico (2012), de Gonçalo Byrne, em Leiria Paulo Catrica

João Luís Carrilho da Graça vem logo pela manhã a sair da sede Fundação Gulbenkian. Foi acertar as luzes no espaço que lhe é dedicado na exposição Inside a Criative Mind, que esta quinta-feira é inaugurada em Lisboa, e não vai ficar para a visita com os jornalistas que é já dali a bocado. Talvez através de “uma trepanação” se possa entrar dentro da cabeça de um arquitecto, brinca, depois de explicar o seu método de trabalho.

A exposição comissariada por Eduarda Lobato de Faria pega em sete ateliers portugueses e faz um zoom sobre sete projectos. Alguns muito conhecidos, como a Igreja de Santo António (2008), de Carrilho da Graça, em Portalegre, a Casa das Histórias (2009), de Eduardo Souto de Moura, em Cascais, o Museu Iberê Camargo (2008), de Álvaro Siza, em Porto Alegre (Brasil), ou ainda o Centro Cívico do Centro Histórico (2012), de Gonçalo Byrne, em Leiria; outros que acabam de ser terminados, como o Centro Sociocultural da Costa Nova (2016), do atelier ARX, no concelho de Ílhavo; ou que estão ainda em obra, como o Centro de Convívio de Grândola (2016), do atelier Aires Mateus, ou a Biblioteca Pública e Arquivo Municipal de Angra do Heroísmo (2016), de Inês Lobo.

Carrilho da Graça começa por lembrar que é de Portalegre e fala da paisagem marcada por afloramentos de quartzitos. “No sítio onde se ia construir a igreja percebia-se que podia haver esses afloramentos. Escavou-se até encontrá-los.” Na igreja, a rocha – que se vê através de uma grande janela e já está no exterior – serve de cenário ao altar. “O projecto é aparentemente simples no seu conjunto, já me perguntaram se era uma igreja protestante, mas a presença da rocha parece talha dourada.”

Perguntamos-lhe pela importância da memória no seu processo de trabalho, do lugar, das pré-existências. Carrilho da Graça afirma que não gosta dos termos “pré-existências e memória do lugar”. “Chego a um sítio e tenho um programa. Tento que o programa tenha um sentido mais alargado do que está na sua letra. Recupero o que está no sítio e que é mais forte e intenso.” Podem ser pré-existências, reconhece, mas esse parece-lhe um termo demasiado romântico, que implica uma atitude excessivamente cuidadosa. A sua acção “é mais interventiva”. O resto devemos mesmo perguntar à comissária, que entretanto está a chegar.

Já na sala de exposições temporárias do edifício-sede, cá em baixo, Eduarda Lobato Faria explica que o seu projecto “é uma ideia ambiciosa que junta exposição de arquitectura com um ciclo de conferências”. O ciclo, aliás, começa já esta sexta-feira, com Álvaro Siza às 18h30 no auditório 3, “e reforça tudo o que se passa na exposição”.

Antes de ouvir os nove arquitectos ao vivo (há duas duplas, os irmãos Mateus, do atelier ARX, e os irmãos Aires Mateus), é possível escutá-los, através de sete filmes feitos pela realizadora Catarina Mourão, que acompanham em cada espaço aquele material que é mais comum encontrarmos em exposições de arquitectura: esquissos, desenhos técnicos, fotografias, maquetas. Algumas, como a maqueta seccionada da igreja de Carrilho, à escala 1:20, “é absolutamente nova, acabada esta noite”, tal como a do centro da Costa Nova dos ARX, que mostra a estrutura em madeira do edifício. Há ainda, entre outro material inédito feito de propósito para a exposição, a Macchina Prospettica de Byrne, um objecto enigmático, diz a comissária, que pretende simular a experiência deste edifício-praça de Leiria à escala da rua.

“O que se passa nesta sala é uma parte da arquitectura portuguesa. Seleccionámos sete exemplos de rigor, de seriedade de amor à profissão”, diz no início da apresentação a comissária. “O caminho do arquitecto é longo, denso e muitas vezes tortuoso”, acrescenta, explicando que fez este projecto também a pensar nos seus alunos da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa. Quis mostrar o método de trabalho focado só num projecto, “desde a primeira ideia à obra construída”.

PÚBLICO -
Foto

Interrogada sobre se tinha encontrado entre os arquitectos portugueses algo de comum na forma de pensar, Eduarda Lobato Faria destaca a devoção à arquitectura, “um enorme rigor na forma de pensar e uma seriedade absoluta na forma de a conceber, essa já muito individual”. E o discurso em volta do lugar, continua muito presente ou foi superado? “Penso que o lugar é sempre um rastilho fundamental.” Nas sinopses que fazem dos projectos, “há arquitectos que falam do lugar, em que isso é mais evidente”, mas na matriz comum a comissária regressa à devoção: “Todos são estudiosos, procuram superar-se em cada obra. São inconformistas e isso leva a todo um processo que vai crescendo.”

Na visita à exposição, Eduarda Lobato Faria está acompanhada pelo arquitecto Manuel Aires Mateus, que explica que o projecto para o centro de idosos em Grândola teve cinco versões diferentes e durou 14 anos. “Interessava-nos falar um bocadinho da verdade do projecto”, explica o arquitecto, também autor da nova sede da EDP em Lisboa, sobre a razão da escolha feita para responder ao pedido da comissária, que quer mostrar como é entrar na cabeça de um arquitecto.

“Este é um dos projectos mais longos que tivemos. Por nossa culpa, por irmos à procura da resposta.” Com um programa muito simples, é um espaço de 600 metros quadrados que contém o quotidiano de uma comunidade idosa mas deve também funcionar em dias de festa. “Tem esta dificuldade de um mesmo espaço que tinha de trabalhar em duas escalas.” O espaço pode funcionar horizontalmente como um todo, pois o chão está livre, mas também verticalmente, de uma forma seccionada, através da influência e da valorização do tecto. Aires Mateus explica que o tecto incorpora vários vazios piramidais, muito verticais e acusticamente absorventes, que se transformam na prática em vários tectos, que por sua vez exercem uma compressão sobre o espaço, subdividindo-o, de certa forma, e criando novas autonomias espaciais. “Como é que se limita o espaço através de uma coisa primária que é o solo e outra coisa também primária que é a forma de o cobrir?”, questiona Manuel Aires Mateus, explicando que, assim, “os vários pequenos grupos de idosos podem encontrar-se nestes espaços que se tornam íntimos verticalmente”.

Para os Aires Mateus, este projecto significa uma viragem, uma sequência que começa aqui em Grândola, vai para a Mesquita de Bordéus e continua nos museus de Lausanne: o espaço não é só limitado e trabalhado pelo muro, mas também através da compressão do tecto. Eles que falaram durante muito tempo da espessura da parede – aqui também presente, e onde escondem, por exemplo, as casas de banho , falam agora do chão e do céu. “Interessa-nos trabalhar com aquilo que não sabemos.”