Assunção Cristas aclamada em Gondomar

Candidata assume ser católica e defende a tolerância para com o casamento e adopção de casais do mesmo sexo.

Cristas espera que “mais mulheres possam vir e aparecer no CDS”
Fotogaleria
Cristas espera que “mais mulheres possam vir e aparecer no CDS” MARTIN HENRIK
Fotogaleria
MARTIN HENRIK
Fotogaleria
MARTIN HENRIK
Fotogaleria
MARTIN HENRIK
Fotogaleria
MARTIN HENRIK
Fotogaleria
MARTIN HENRIK
Fotogaleria
MARTIN HENRIK

No seu último discurso do dia, Assunção Cristas escolheu um registo mais pessoal perante os congressistas. Apresentou-se como uma mulher nascida em Angola, que gosta de política — não é uma “actividade de má fama” —, católica e mãe de quatro filhos. Foi aplaudida de pé antes de iniciar a intervenção e no final.

A futura líder do CDS recordou que a política se atravessou na sua vida de professora universitária. “Sou política e digo-o com orgulho” e “estar na política não é uma actividade de má fama”, disse, reafirmando que quer “trabalhar com todos. A ex-ministra traçou o seu objectivo: “Quero fazer pelo nosso país aquilo que fiz na Agricultura e no Mar.”

Como uma mulher que nasceu em Angola em 1974 (veio no ano seguinte com os pais para Lisboa), Assunção Cristas citou um provérbio angolano: “Quem quer ir depressa vai sozinho, quem quer ir longe vai acompanhado, eu quero ir longe, muito longe, acompanhada de todos vós nesta sala e de todos os que se vão juntar a nós.”

A deputada defendeu implicitamente o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a adopção: “Sou mãe de quatro filhos, uma alegria imensa, é o meu projecto de vida e do meu marido, não me impede de achar que há outros caminhos de felicidade. Creio que a nossa sociedade deve ter toda a abertura, todo o acolhimento, todo o respeito e não é apenas tolerância, é amor, por todos os caminhos de felicidade que as pessoas queiram ter.”

Iniciando o seu discurso pontualmente às 20h, hora dos telejornais, a candidata realçou a serenidade com que o congresso estava a decorrer, depois de ouvir em jeito crítico que a reunião magna era morna e que “faltava sangue e ofensa”. “Isso é bom, lá fora as pessoas não gostam do sangue, das ofensas, se calhar é uma característica das mulheres”, afirmou, dizendo esperar “mais mulheres possam vir e aparecer no CDS”.