Morreu Fátima Patriarca, historiadora dos conflitos laborais

Investigadora jubilada do Instituto de Ciências Sociais, era uma referência na história dos movimentos sociais do século XX em Portugal.

Fotogaleria
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Historiadora do movimento operário e sindical durante o Estado Novo em Portugal, Maria de Fátima Patriarca morreu aos 72 anos, na madrugada desta sexta-feira, devido a complicações na sequência de um problema cardíaco, no Hospital da Cuf (Infante Santo), em Lisboa. 

Fátima Patriarca era mulher do jornalista do PÚBLICO Jorge Almeida Fernandes. O velório de Maria de Fátima Patriarca terá lugar este sábado a partir das 17h na Basílica da Estrela, de onde o funeral sairá no domingo de manhã, pelas 9h, para o crematório de Rio de Mouro.

“Sem dúvida uma das mais importantes historiadoras dos movimentos sociais do século XX, tendo estudado em especial as questões sindicais e laborais”, resume o historiador António Araújo, que destaca o facto de Fátima Patriarca fazer parte de uma geração de historiadores que começou a abrir os arquivos do salazarismo. “Foi sempre uma historiadora muito baseada nos documentos. Rigorosíssima.” Na sua obra, destacam-se A Questão Social no Salazarismo (INCM, 1995), a sua tese de doutoramento, e Sindicatos contra Salazar. A revolta de 18 de Janeiro de 1934 (Imprensa de Ciências Sociais, 2000). 

No livro sobre o 18 de Janeiro, António Araújo dá como exemplo esse intenso trabalho nos arquivos, a partir dos quais Fátima Patriarca construiu uma história onde “viu muito mais do que a querela política entre comunistas e anarquistas”, fazendo uma profunda releitura da mítica revolta da Marinha Grande. O livro, escreveu Adelino Gomes neste jornal quando saiu em 2000, é uma “reconstituição dia a dia, minuto a minuto, da luta contra a instauração por Salazar dos sindicatos corporativos”, fazendo “um retrato quase cinematográfico dos acontecimentos”. 

Fátima Patriarca nasceu em 1944 no Monte do Sol Posto, propriedade dos Ribeiro Telles, no Couço – conta o historiador Álvaro Garrido num texto inédito que será publicado em breve pela Imprensa de Ciências Sociais, num livro colectivo dedicado aos historiadores mais antigos do Instituto de Ciências Sociais (ICS) , por coincidência “uma freguesia rural ribatejana que teve, ela própria, uma história social intensa que consta dos anais da resistência rural ao Estado Novo”. Os pais, no entanto, vinham de Manteigas, na Serra da Estrela, e no final dos anos 40 a família seguiu para Benguela. 

Foi em Angola que Fátima Patriarca estudou, até entrar para Germânicas, no início dos anos 1960, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em plena crise académica. Pouco tempo depois passa para o Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa, onde obtém o diploma em 1967.

Em 1970, conta a breve biografia de Álvaro Garrido, está em Paris como bolseira da Fundação Gulbenkian, ingressando na École Pratique des Hautes Études en Sciences Sociales, onde assiste aos seminários de Alain Touraine, conhecido pela sua obra dedicada à sociologia do trabalho e dos movimentos sociais, de onde sai em 1972 com o diploma d'Études Approfondies en Sciences Sociales.

Será em pleno PREC (Processo Revolucionário em Curso), depois do 25 de Abril, que entra no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa como assistente. “Nesses anos de euforia revolucionária e de transição para a democracia Fátima Patriarca era claramente socióloga”, escreve Álvaro Garrido, dedicando-se a uma sociologia histórica do trabalho, “com particular atenção aos temas do controlo operário e da greve”. Em 1975, passa a integrar o Gabinete de Investigações Sociais (GIS), do sociólogo Adérito Sedas Nunes, antecessor do Instituto de Ciências Sociais (ICS). Licencia-se no ICSTE em Sociologia Industrial em 1980.

Em 1992 fez as suas provas de investigadora no Instituto de Ciências Sociais (ICS), sob a orientação do sociólogo Adérito Sedas Nunes, com a dissertação de doutoramento Processo de implantação e lógica e dinâmica de funcionamento do Corporativismo em Portugal – os primeiros anos do Salazarismo. Jubilou-se como investigadora principal em 2005. 

Álvaro Garrido diz que é com o projecto de investigação O Trabalho Operário na Metalomecânica Pesada (1978-82) que começa a transição que dá, aliás, título ao seu artigo sobre a historiadora nascida socióloga: Da Sociologia do Trabalho a uma História Social do ‘Político’. Essa transição, explica ao PÚBLICO, “surge por uma inquietação intelectual, que decorre da necessidade de perceber as políticas sociais e laborais na sua espessura histórica em Portugal: "De estudar o triângulo corporativo institucionalizado pelas políticas do Estado Novo em 1933 – Estado, patrões e trabalhadores –, dada a longa persistência do sistema corporativo nas relações de trabalho e nas políticas sociais. Um triângulo que a Fátima Patriarca estudou como ninguém." 

Tal como António Araújo, Álvaro Garrido destaca “o sentido de minúcia, e de leitura de documentos, muito rigoroso” e “um espírito narrativo muito apurado”. Não publicava nada que não estivesse muito amadurecido: “Acabou por não escrever muito. Tem dois livros muito extensos. O resto são artigos, alguns muito grandes também.” 

"O seu contributo mais saliente para a história da História", escreve Garrido, "reside no modo com soube construir uma História Social do 'político'". "Relativamente ao período do Estado Novo e das suas realidades político-sociais, a auto-exigência analítica de Fátima Patriarca e o seu sentido crítico subtil conduziram-na a evitar o binómio previsível e redutor que tende a situar os historiadores entre aqueles que preferem uma história do regime por dentro de si mesmo e os que elegem a 'história das oposições' como a única perspectiva capaz de alimentar uma memória histórica vigilante."

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa enviou entretanto uma mensagem de condolências à família da historiadora e investigadora.

"Durante uma carreira de décadas como historiadora e investigadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Maria de Fátima Patriarca produziu textos marcantes sobre os movimentos sociais do século XX português, sendo autora, entre outros trabalhos, de livros sobre a questão social no salazarismo e a revolta do 18 de Janeiro de 1934 que são actualmente obras de referência na historiografia do Estado Novo", lê-se na missiva.

"Com a sua morte, Portugal perde uma académica de excepção, que de forma tão discreta quanto admirável deu um contributo fundamental para a compreensão da História Contemporânea do nosso País", assinala o chefe de Estado.

Texto alterado a 2 de Maio, corrigindo idade de Fátima Patriarca e pormenores do seu percurso académico