A cara que se intrometeu na política

Enquanto o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, recebia os convidados para a tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa como Presidente da República, um rosto pintado numa fachada da rua de São Bento saltou para a ribalta.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Esta cara não é nova. Já mora na fachada de um prédio da rua de S. Bento, em Lisboa, desde Setembro de 2014. E também já teve os seus momentos televisivos (cerimónia do 25 de Abril de 2015, manifestações na escadaria da Assembleia da República…), mas esta quarta-feira ganhou um protagonismo insólito ao aparecer em grande destaque no enquadramento das câmaras que faziam as emissões em directo na entrada principal do Parlamento. O rosto pintado em graffiti por Drawing Jesus (nome artístico de Nelson Jesus) foi o pano de fundo de alguns de momentos formais como a recepção, pelo presidente da AR, Ferro Rodrigues, das mais diversas personalidades que assistiram nesta quarta-feira à tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa.

Com voos rasantes por cima das cabeças das dezenas de convidados e militares da GNR fardados a rigor, as gruas de televisão, na sua habitual coreografia, deram origem a imagens surpreendentes, que misturaram o mais puro ritual político com a iconografia ligada às artes de rua.

O trabalho de Drawing Jesus, um arquitecto recém-formado de 27 anos que neste momento procura trabalho em Bruxelas, na Bélgica, foi feito no contexto do Festival Todos e representa traços das fisionomias ocidental, asiática e africana. A ideia é dar rosto e celebrar as diferentes culturas que coabitam na cidade. Usando algumas das características da parede (irregularidades, afundamentos, relevos…), Drawing Jesus fez vários esboços até chegar à forma final daquilo que melhor poderia significar (e mostrar) a multiculturalidade lisboeta. “Não queria pintar apenas uma cara. Queria dar à parede um rosto.”

Questionado pelo PÚBLICO sobre a presença do seu trabalho nas imagens de momentos políticos de grande importância como o desta quarta-feira, Nelson Jesus mostrou-se surpreendido e confessou nunca ter imaginado que tal viesse acontecer. “Não pensei no trabalho a contar com isto. Mas é sempre uma coisa boa quando aquilo que fazemos é visto por mais pessoas. E também noutros contextos.”

Certo é que, na tomada de posse de Marcelo como Presidente da República, o olho azul e a face sardenta, o olho rasgado de tez mais escura e o nariz africano de argola cravada entraram na cena de forma espectacular, dando ao aparato cénico da política um tom mais urbano e informal.