“Mr. António Costa” quer alargar ao país o ecossistema de startups de Lisboa

Governo apresentou o programa Startup Portugal, um conjunto de medidas de apoio ao empreendedorismo.

António Costa quer aproveitar a experiência de Lisboa para promover o empreendedorismo
Foto
António Costa quer aproveitar a experiência de Lisboa para promover o empreendedorismo Miguel Madeira

Não é frequente ver-se em Portugal placas de inauguração sem “dr.”, “engenheiro” ou “excelência”, mas é o que acontece na placa que o primeiro-ministro descerrou na tarde desta terça-feira, na nova sede da Uniplaces, uma startup de arrendamento de quartos, que conseguiu no ano passado 22 milhões de euros de financiamento: “Officially opened by the prime minister of Portugal, Mr. António Costa & the mayor of Lisbon, Mr. Fernando Medina”, lê-se na inscrição numa das paredes do novo espaço, onde trabalham mais de 100 pessoas e que fica no edifício da estação do Rossio, no centro de Lisboa.

Numa cerimónia relativamente informal e feita numa mistura de inglês e português, o primeiro-ministro afirmou querer reproduzir no país o que aconteceu em Lisboa. Tal como aconteceu outras cidades europeias (e, em menor escala, outras cidades portuguesas), Lisboa assitiu, ao longo dos últimos anos, ao crescimento do número de startups, de espaços de incubação, de eventos dedicados ao empreendedorismo e da disponibilidade dos investidores de risco.

“O ecossistema que foi iniciado em Lisboa tem de se reproduzir no país”, disse António Costa na cerimónia, no mesmo dia em que o Governo oficializou o programa Startup Portugal, que inclui várias medidas de apoio ao empreendedorismo, incluindo as já anunciadas linhas de financiamento para capital de risco e business angels (que fazem investimento numa fase muito inicial), o lançamento de uma rede nacional de incubadoras e a criação um programa de aceleração português – os aceleradores são frequentes neste meio e permitem às empresas emergentes receber aconselhamento e outros apoios que lhes permitam crescer mais rapidamente.

O novo programa contempla também bolsas destinada a recém-licenciados que queiram criar uma empresa e já tenham tido apoio social durante o curso. Trata-se de uma medida que tinha sido feita na Startup Lisboa, uma incubadora lisboeta criada durante o mandato autárquico de Costa e então dirigida pelo actual secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos.

António Costa frisou também a necessidade de desburocratização e deu como exemplo os carros sem condutor, uma tecnologia em que a indústria automóvel tem estado a apostar e que, argumentou, deve poder ser testada nas estradas portuguesas. "[É preciso] derrubar barreiras e criar liberdade para que as ideias possam crescer”, afirmou o primeiro-ministro.