José Manuel Coelho despe-se na Assembleia da Madeira

Deputado protestava contra o facto de ter o vencimento penhorado por um caso de difamação.

Fotogaleria
Deputado do PTP despiu-se no parlamento regional DR
Fotogaleria
DR

O deputado do PTP na Assembleia Legislativa da Madeira despiu-se na manhã desta quinta-feira em protesto contra o facto do ter o vencimento penhorado, motivando a interrupção dos trabalhos parlamentares.

José Manuel Coelho, que regressou esta semana ao parlamento regional, substituindo o deputado Quintino Costa, discursava sobre uma proposta de reforço de segurança dos reservatórios de armazenamento de água para rega, quando começou a despir-se criticando o que acusa ser uma “justiça podre” que persegue quem denuncia os crimes.

“Fui condenado a pagar uma indemnização de 106 mil euros, e desde Novembro de 2015 que tenho o salário penhorado em 700 euros”, contou o deputado ao PÚBLICO, explicando que o acto de se despir foi “simbólico”. Fiz, contou, como Cristo disse no Evangelho, e entreguei as minhas roupas para abater na dívida que tenho.

Em causa está um processo por difamação movido por uma agente de execução, Maria João Marques, contra José Manuel Coelho, depois de este ter convocado a imprensa para denunciar alegadas apropriações indevidas de bens executados pela agente.

Coelho, que não concordou com a decisão, mas não recorreu, tem insistido nas denúncias contra a agente de execução, e mantém online, à revelia do tribunal, um vídeo da conferência de imprensa em que falou pela primeira vez do caso.

Esta quinta-feira, “indignado” pelo que considera ser uma Justiça “corrupta” e ao “serviço do PSD-Madeira”, Coelho ficou apenas em calção de banho, entregando o vestuário ao presidente do parlamento regional, Tranquada Gomes, que suspendeu os trabalhos e pediu aos restantes deputados para abandonarem a sala.

José Manuel Coelho ainda permaneceu sentado durante algum tempo, numa sala vazia, acabando depois por sair apenas com os calções e um chapéu.

“O regimento é omisso quanto à indumentária dos deputados, e como estava de calção de praia não houve atentado ao pudor”, frisou o deputado.

Mas a ousadia poderá ter consequências. Em Julho do ano passado, depois de outro episódio protagonizado por Coelho – levou um megafone para o plenário para continuar a falar, mesmo depois de ter esgotado o tempo , a assembleia madeirense decidiu pedir um parecer “urgente” à Procuradoria-Geral da República, sobre as atitudes que pode tomar perante os actos irreverentes de José Manuel Coelho,

O objectivo da decisão é evitar, como aconteceu no passado em que o deputado foi expulso do plenário por agentes da PSP, que Coelho retire aproveitamento político destes casos.

Primeiro como deputado do PND, e depois eleito pelo PTP, José Manuel Coelho, que em 2011 foi candidato à Presidência da República, foi o rosto de várias polémicas no parlamento madeirense. Já levou um relógio de cozinha pendurado ao pescoço, em protesto contra o reduzido tempo de intervenção atribuído à oposição pelo anterior regimento, vestiu um fato de presidiário e desfraldou uma bandeira nazi.