Opinião

Eu, geringoncista

Já foi notado que alguns apoiantes das convergências à esquerda começaram a usar "geringonça" como um termo de simpática auto-identificação. Fazê-lo ajuda a esvaziar com humor o sentido da palavra, quando usada original e pejorativamente pela direita. E nestas coisas, não interessa quem gerou a palavra; interessa quem lhe tem carinho.

Eu confesso o meu afeto pela geringonça. Desde logo, é mais apelativo do que a expressão consagrada por anos de uso, desuso e abuso à esquerda, a "convergência". Da próxima vez que participar numa convergência à esquerda sou até capaz de dizer: "olha, vamos fazer uma geringonça?".

Acima de tudo, esta geringonça demorou para chegar. Mais de quarenta anos de espera, e os últimos quatro de desespero. Para quem esperou e desesperou (e se mexeu para ver acontecer) é impossível não sentir alguma comoção quando os deputados e deputadas de esquerda se levantam ao mesmo tempo para aprovar um orçamento de estado.

Sim, é um exercício difícil. Mas ninguém disse que ser de esquerda é governar apenas quando for fácil. Sim, ainda há muito para discutir na especialidade. Mas é para isso que aqueles deputados e deputadas lá estão, e já não há como voltar atrás. A partir de agora deixou de haver aquele momento no debate em que se perguntava: "tudo bem, o PCP e o BE não gostam deste orçamento; mas desde quando gostaram de algum?". Mesmo que não se trate verdadeiramente de "gostar", esta pergunta passou a ter resposta a partir de ontem: sabemos com que tipo de orçamento a esquerda se pode comprometer. Nos seus próprios termos, é um orçamento que cumpre com a Constituição, começa a inverter o jugo da austeridade e não põe em causa a presença no euro e na UE. Esse é um dado relevantíssimo para o futuro, porque ninguém — à esquerda ou à direita — poderá fazer de conta que não existiu.

Em boa medida, a direita tem razão numa coisa: sim, este orçamento é definido pela oposição polar ao que foi o governo anterior. Mal estaríamos se não o fosse. A democracia é o regime onde a maioria manda, mas acima de tudo é o regime onde a maioria muda. Quando a maioria não muda, ou muda e não manda nada, a democracia não está a funcionar.

Por isso o discurso adjetivado de Passos Coelho, centrado na ideia da usurpação e ilegitimidade do governo, falha tanto o alvo. De cada vez que uma maioria de esquerda vota junta, está a fazer-se a prova de que esta maioria é o resultado legítimo de um voto democrático. E de cada vez que Coelho se enfia na toca, enfadado, cria mais uma ocasião para a esquerda demonstrar a coesão da sua maioria.

É isso que a direita parece não perceber na descrição que ela própria criou da convergência à esquerda. Não interessa se é geringonça. Interessa se funciona.

Na verdade, geringonça é sempre que alguém tem de chegar a compromisso com alguém para alguma coisa. A coligação PàF também era uma geringonça, mas não suficientemente forte para que os portugueses lhe dessem uma maioria governativa.

Por isso chamem-lhe "geringonça". De cada vez, eu ouço "democracia". O pior de todos sistemas, etc.

Sugerir correcção