Um concerto para “dar uma oportunidade real” aos sem-abrigo

Concerto neste sábado à noite, na Casa da Música, servirá para Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo do Porto custear tratamentos dentários, dentaduras, óculos e cauções de renda.

Estado vai cortar 30 por cento no financiamento da Casa da Música em 2013
Foto
Estado vai cortar 30 por cento no financiamento da Casa da Música em 2013 Paulo Pimenta

Não é um concerto de angariação de fundos para uma instituição de solidariedade social. Neste sábado à noite, na Casa da Música, no Porto, o espectáculo faz-se para que o Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo (NPISA) do Porto tenha um fundo para suportar tratamentos dentários, dentaduras, óculos e cauções de renda de casa a pessoas que estiveram na rua e que estão num processo de inclusão social. O actor Rui Spranger, um dos anfitriões do evento, diz que é “para lhes dar uma oportunidade real”.

A partir das 22h30, sobem ao palco Manuel Cruz, As Três Marias, Osso Vaidoso, Cabaret Fortuna, O Incrível Homem Bomba, Plaza, Rui David & Projecto Alarme e o Som da Rua. Os bilhetes custam 10 euros e revertem por inteiro para o NPISA-Porto, rede que é coordenada pela Segurança Social e agrega 68 organizações da cidade – umas públicas, outras privadas, umas formais, outras informais.

São acompanhadas pelo NPISA-Porto 972 pessoas com experiência de rua. Estima-se que haja umas cem a dormir ao relento e umas 400 em prédios devolutos. Como muitos dos que permanecem lá fora têm problemas de saúde mental, a Câmara do Porto está a tentar encontrar um espaço onde possam viver com acompanhamento.

A rede, que nasceu da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem Abrigo, está organizada em quatro grupos: a plataforma de Triagem e Acompanhamento; a Plataforma de Organizações Voluntárias; a Plataforma + Emprego, que procura sinergias entre empregadores e pessoas em situação de sem abrigo; e As Vozes do Silêncio, destinada a aproximar quem tem e quem não tem abrigo através da arte.

Neste momento, na Plataforma + Emprego estão 45 pessoas aptas para trabalhar, 22 delas já inseridas no mercado social de emprego ou no mercado formal. “A minha expectativa é que se consiga ter uma casa cheia sábado à noite, que seja um bom espectáculo; e que estas 45 pessoas realmente tenham condições parar recuperar”, diz Rui Spranger, fundador da Apuro – Associação Cultural Filantrópica que integra o NPISA-Porto.

Discutiram se não deveria a acção social suprimir tais carências. “Deveria, mas a verdade é que o Estado não tem dinheiro”, exclama o actor. “Não adianta insistir nisso e nada fazer, até porque há certos mecanismos que não estão criados. O Estado pode dar um apoio mensal para a renda. E os dois ou três meses de caução?”

Quem chega à Plataforma + Emprego tem de percorrer um caminho de distância variável até ficar apto para trabalhar, explica Alfredo Figueiredo Costa, da WelcomeHOME, uma Cooperativa de Solidariedade Social dedicada à empregabilidade da população em situação de sem-abrigo na cidade. Às vezes, já só não está em condições porque não tem dentes ou porque precisa de uns óculos.

“Isto tem muito que se lhe diga”, diz o perito em economia social. As ofertas de emprego não abundam. As pessoas têm em média 45 anos e baixa escolaridade. São trabalhadores indiferenciados, amiúde com intermitentes experiências de trabalho, por vezes afastados há anos do mercado laboral.“É preciso trabalhar a motivação”, diz. “Gerir as expectativas das pessoas a longo prazo não é fácil.”

Começaram por sensibilizar as instituições que fazem parte da rede para a importância de dar uma oportunidade a quem está pronto para trabalhar. A Santa Casa da Misericórdia do Porto, por exemplo, recebeu quatro pessoas no ano passado e só não ficou com uma por “inadaptação ao posto de trabalho”. Tentam fazer o mesmo fora do terceiro sector. Comprometem-se a acompanhar cada trabalhador durante os três primeiros anos.