Encerrado lar ilegal onde coabitavam 13 idosos e 24 cães

GNR e a Segurança Social de Faro encerraram um lar que operava de forma ilegal e acolhia 13 idosos juntamente com 24 cães.

A crise económica pode levar familiares de idosos a pedirem a interdição destes com o objectivo de aceder ao seu património
Foto
A crise económica pode levar familiares de idosos a pedirem a interdição destes com o objectivo de aceder ao seu património Daniel Rocha

A Segurança Social encerrou um lar ilegal de idosos na passada quarta-feira em Cruz da Assumada, cidade de Loulé, onde coabitavam precariamente 13 idosos e 24 cães. A mulher de 43 anos que geria a casa foi identificada e, segundo fonte da GNR avançou ao PÚBLICO, é reincidente.  

O encerramento do lar foi decidido pela Segurança Social na sequência de uma denúncia sobre maus tratos alegadamente inflingidos a um idoso que vivia na instituição. Foram ainda recolhidos indícios de que na habitação poderiam viver outros idosos, sem que o local reunisse as devidas autorizações para operar como lar, referiu a GNR em comunicado.

Na visita ao estabelecimento, a Segurança Social deparou-se com “condições precárias” para habitação, tendo decidido o “encerramento imediato”. O lar acolhia 13 pessoas, com idades compreendidas entre os 59 e os 87 anos, das quais nove foram institucionalizadas noutros espaços. As restantes quatro foram acolhidas pelas respectivas famílias.

Na operação de encerramento do lar, os técnicos da Segurança Social foram auxiliados por forças policiais e por militares do Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas da GNR de Faro, do Núcleo de Programas Especiais da GNR de Loulé e da Equipa de Protecção do Ambiental da GNR de Loulé.