Impasse inesperado em Bruxelas nas negociações com o Reino Unido

“Vou bater-me pelo Reino Unido", afirmou David Cameron à entrada para a reunião do Conselho Europeu. Optimismo moderado no arranque da "cimeira do vai ou racha".

Cameron diz que não aceitará "um acordo que não corresponda às necessidades" britânicas
Foto
Cameron diz que não aceitará "um acordo que não corresponda às necessidades" britânicas Emmanuel Dunand/AFP

Ninguém esperava que a negociação que determinará o futuro do Reino Unido na União Europeia ficasse fechada logo na quinta-feira, mas ninguém antecipava que as divergências fossem ainda tão pronunciadas quando os trabalhos foram interrompidos. O impasse estava de tal maneira fincado que o pequeno-almoço que presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, agendou para esta sexta de manhã, supostamente para limar as últimas arestas do acordo, foi adiado para um “brunch”.

À entrada para a cimeira, os líderes traduziram uma vontade unânime em fechar o acordo com o Reino Unido e dar a Cameron os trunfos e o tempo necessário para vencer o referendo à permanência do país na União Europeia. O último rascunho mostrava que havia muitos pormenores a trabalhar nos pontos mais polémicos da renegociação, no que se refere ao mecanismo para permitir a Londres suspender durante quatro anos os apoios sociais aos trabalhadores comunitários, e na exigência britânica de ter uma palavra a dizer em relação às decisões da zona euro que possam afectar a sua economia. O Reino Unido também não tinha garantida a promessa de que as reformas acordadas viessem a ser inscritas numa futura revisão dos tratados.

Depois de horas de discussão, continuaram a sobrar divergências. Citando “fontes de Downing Street”, a editora política da BBC dizia que o processo tinha mergulhado no impasse: “Quando esperávamos discutir pontes, ainda estamos a falar de fossos. Não fizemos progressos nenhuns”.

“Vou bater-me pelo Reino Unido. Se conseguirmos um bom acordo, vou aceitar esse acordo, mas não aceitarei um acordo que não corresponda às nossas necessidades”, afirmou o primeiro-ministro britânico à chegada à cimeira. No primeiro “intervalo” da noite, ara o jantar, um assessor britânico repetia ao The Guardian que “o primeiro-ministro deixou muito claro que só aceitaria um acordo que cumprisse com as suas exigências. Se tal não acontecer, a cimeira acaba sem acordo”. Donald Tusk já tinha avisado que o processo seria “difícil e sensível: é a cimeira do vai ou racha”.  

O líder conservador quer chegar a acordo o quanto antes – as sondagens indicam que cresce o número de britânicos a pensar votar “não” no referendo – e precisa de sair de Bruxelas com um texto capaz de provar que, depois desta renegociação, a permanência do Reino Unido na UE é “o melhor de dois mundos”. “Com boa vontade e trabalho árduo podemos conseguir um melhor acordo para o Reino Unido”.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse estar “bastante confiante” de que será possível chegar a um entendimento. “Faremos tudo o que for necessário para criar as condições para que o Reino Unido possa continuar a fazer parte da UE”, afirmou a chanceler alemã, Angela Merkel. Menos entusiasta, mas igualmente pragmático, o Presidente francês, François Hollande, disse que “um acordo é possível porque é necessário”. Paris rejeita qualquer passo que permita a Londres vetar as decisões da zona euro ou a isentar a City londrina da regulamentação financeira da UE.

Também a primeira-ministra polaca, Beata Szydlo, garantiu que o seu país “quer um acordo, mas não a qualquer preço”. A Polónia, que tem 600 mil cidadãos a trabalhar no Reino Unido, encabeça os países de Leste que se têm oposto aos cortes nos apoios sociais aos trabalhadores comunitários. Num bem-humorado resumo das posições dos seus parceiros, a Presidente da Lituânia Dalia Grybauskaite estimava que “cada um fará o seu pequeno drama, mas no final encontraremos um compromisso”.