São “só” dois amigos a trocar canções (e milhares a cantar com eles)

Concerto de António Zambujo e Miguel Araújo foi uma festa sincera e partilhada entre palco e plateia e uma celebração dessa preciosidade a que chamamos canção.

Fotogaleria
Miguel Araújo e António Zambujo no primeiro dos 17 concertos Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Os escadotes altos, utilizados originalmente em vindimas, mas dispostos como se vários andaimes de madeira tivessem sido montados no palco, transmitem a ideia (correcta, como se perceberá) de um concerto em construção. As lanternas que delas pendem, luzes baixas de cores quentes, criam um ambiente de intimidade (muito adequado, como o concerto não demorou a revelar). No início, porém, não nos apercebemos.

No início, tudo é escuridão, excepto o foco de luz incidindo sobre Miguel Araújo, que toca a guitarra eléctrica, primeiro, e sobre António Zambujo, depois, que canta Foi Deus, de Amália Rodrigues, com a voz apoiada em esparsos acordes de guitarra. Momento solene, o único da noite. Assim se deu o arranque, às 21h45, desta temporada épica, inédita, que levará Araújo e Zambujo a dar 17 concertos nos Coliseus de Lisboa e do Porto entre 17 de Fevereiro, data deste primeiro, em Lisboa, e 28 de Março, dia escolhido para o último, no Coliseu do Porto.

Mais à frente, quando já se ouvira a Romaria de Santa Eufémia, já António Zambujo agradecera “por esta loucura” que é a maratona de concertos agora iniciada, já Miguel Araújo cantara a Zorro do companheiro de palco, porque este é, afinal, um momento de partilhas – entre os músicos e dos músicos com o público -, Zambujo conta como se quis tornar cantor ao ouvir na infância os velhos irromperem em canto em adegas bejenses. Canta depois, muito a seu modo, a moda alentejana Fui comer uma romã. Quando esta termina, Araújo recorda as viagens até Sul, no início da amizade com o homem a seu lado, e o prazer e a inveja que sentia ao testemunhar aquela manifestação popular de dezenas a cantarem juntos uma tradição partilhada. O concerto que os dois deram no Coliseu dos Recreios nesta quarta-feira foi, de certo modo, como imaginamos essas noites de cantoria em Beja.

Em palco podem estar dois dos músicos mais celebrados da música portuguesa da actualidade, autores e cantores de música que tantos conhecem de cor e muito acarinham, mas não se vislumbra qualquer assomo de celebridade na forma como ocupam o palco. Têm um punhado de milhares perante si mas conseguem fazer do acontecimento um momento íntimo e familiar, recheado de bem humorada auto depreciação.

Miguel Araújo é o maiato sem tradição autóctone: a sua tradição portuense, explica, é a das bandas de garagem que já os tios tinham nos anos 1960 e, para a homenegear, ouvir-se-á uma versão canónica de Don't think twice, it's alright, de Bob Dylan. António Zambujo é o bejense da voz expressiva, cheia e modulada, maturada num caldo de Alentejo, fado e MPB.

Araújo, o homem da guitarra eléctrica e dos 13 pedais, como os contou divertido Zambujo, da guitarra acústica e do ukulele, do contrabaixo e do piano. O vocalista e letrista que não esconde, no tom e no imaginário lírico, a dupla Rui Veloso/Carlos Tê que tem como referência. Zambujo, o cantor que dedilha a acústica discretamente, deixando que seja a voz a canalizar todas as emoções. Juntos, complementam-se na perfeição, quais velhos compinchas trocando histórias e canções com refrescante descontração.

O segredo da música de ambos reside na forma como transformam cenários e sentimentos da vida de todos os dias em canção, na capacidade de lhes dar palavras e melodias que geram empatia imediata com o ouvinte. E essa difícil simplicidade manifestou-se uma e outra vez, canção a canção, e amplificou-se junto do público na proximidade que conseguiram estabelecer com ele, sem esforço e sem afectação, genuínos e sem receio de se exporem. Houve momentos de pausa em que discutiam o que iriam tocar de seguida, houve tempo para trocar histórias e para contar piadas, e nada disso pareceu deslocado, nada maculou a actuação. “Vocês estão a ser uma espécie de cobaias. Estamos a ver o que funciona e amanhã vai ser diferente. Vai ser bom”, gracejou Zambujo quando o concerto, que contou com cerca de duas dezenas de canções, se aproximava do final. Tinha razão.

Foto
Miguel Araújo e António Zambujo no Coliseu dos Recreios, em Lisboa Nuno Ferreira Santos

Naturalmente, há afinações necessárias: o Flagrante de António Zambujo, cantado por Miguel Araújo e com o seu vocalista original ao contrabaixo, avançou aos soluços; “Algo estranho acontece”, que pôs Zambujo na posição inédita de guitarrista eléctrico – Araújo ocupou-se do contrabaixo -, pareceu ser interpretada por dois músicos a respirar em ritmo diferente. Mas, no contexto deste concerto, todas as falhas seriam perdoadas – até porque foram excepção muito longe da regra.

O público, como se confirmou desde o início, estava conquistado à partida. Cantou com eles e cantou na vez deles, como na despedida, em encore, com Anda comigo ver os aviões, dos Azeitonas, ou antes dele, na inevitável Os maridos das outras, que o autor, Miguel Araújo, tocou acompanhado de ukulele. O público riu com vontade quando foi enganado e acordes conhecidos não desaguaram imediatamente em Pica do 7, como esperado, passando primeiro pelo “canta y no llores” do standard mexicano Cielito lindo - e depois Zambujo, uma vez mais, não precisou cantar porque o público lhe tomou o lugar.

Não foi um concerto de excelência musical. Foi uma festa sincera e partilhada entre palco e plateia e uma celebração dessa preciosidade a que chamamos canção. António Zambujo e Miguel Araújo têm-nas em boa quantidade e são hábeis a povoá-las de personagens vivas tão dadas à ternura e ao arrebatamento quanto ao ridículo e ao absurdo (nisso, somos todos iguais). António Zambujo e Miguel Araújo gostam de canções e procuram-nas sem constrangimentos. Já referimos que Araújo interpretou Bob Dylan e que Zambujo iniciou o concerto com Foi Deus, falta acrescentar que no Coliseu também ouvimos Rosinha dos limões, do madeirense Max (um dos compositores preferidos de Zambujo, como o próprio referiu), No rancho fundo, de Ary Barroso (“mas claro que a conhecemos através de Chitãozinho & Xororó”, confessou Araújo), ou, respondendo ao pedido de alguém entre o público, a tragicómica Som de cristal de Marante.

Cerca de duas horas após o início solene, chegou outra inevitável, a Lambreta de António Zambujo. Miguel Araújo cantou e tocou piano, Zambujo cantou e o público sorridente cantou igualmente. As lanternas continuaram a brilhar a sua luz quente. Os escadotes de madeira, imperturbáveis, aguardam que o concerto em construção continue o seu trajecto. As canções continuarão. Coliseu após Coliseu até que a conta se complete. O primeiro já terminou. Estão 16 a caminho.

António Zambujo e Miguel Araújo nos Coliseus: “São só 17 concertos”