Crítica

De Keersmaeker e Kaori Ito querem dançar onde as palavras não chegam

Na sexta edição do GUIdance.

Fotogaleria
Golden Hours (As you like it), de Anne Teresa de Keersmaeker Anne Van Aerschot
Fotogaleria
Je danse parce que me méfie des mots, de Kaori Ito Gabriel Wong

O que de mais relevante retemos de Golden Hours (As you like it) (2015), peça a encerrar com um nome de peso a 6ª edição do GUIdance, é o extremo de radicalidade a que Anne Teresa de Keersmaeker continua a levar a sua pesquisa em torno do metabolismo comum entre som e movimento. A coreógrafa belga não desiste de ser uma criadora inquieta.

É notável como os seus onze bailarinos dançam, com os seus neutros fatos de treino e ténis num palco completamente vazio, num silêncio apenas aparente. Na verdade – perceberemos – o seu movimento é gerado por sonoridades que são (sobretudo) mentais: a cadência dos ritmos e sentidos de textos que o público pode ler, projectadas sobre o fundo do palco.

São fragmentos de As you like it (Como queiram, a comédia romântica pastoral de Shakespeare, uma ode à natureza, repleta de jogos de engano amorosos e trocas de género) aos quais Keersmaeker tentou uma (difícil) articulação a Golden Hours, tema de Antother Green World, o álbum de  Brian Eno de 1975. 

Se a coreógrafa aqui procurou incluir questões que têm ocupado o seu universo criativo (a percepção do tempo, género e identidade, preocupações ambientais) esse foco é desvanecido a favor de um desígnio sobretudo conceptual. E este, por sua vez, pareceu hesitar entre uma pura abstracção formal e uma reinterpretação sensorial da narrativa shakespeariana e da canção de Eno, cuja presença dramatúrgica tende, aliás, a soçobrar.

O texto escrito torna-se, na verdade, a “partitura musical silenciosa” para o qual movimento se desenvolve; e os bailarinos incorporaram-no tão bem que os vemos murmurar as palavras enquanto as dançam. Pouco a pouco, somos enleados nesta espécie de mantra poético (de duas horas de duração). Mas, entendida a intenção, instala-se alguma conflitualidade: a ideia de a linguagem não precisar de ser literalmente descodificada para ser entendida é, de certo modo contradita pelo confronto com a transcrição (quase) literal dos 5 Actos do argumento shakespeariano. Golden Hours resulta numa interessantíssima proposta que, infelizmente, parece em parte ter perdido a direcção.

No serão anterior, a coreógrafa-intérprete Kaori Ito (Tóquio, 1979), trouxe-nos um emotivo dueto intimista, que contou com a participação do seu próprio pai, o escultor Hiroshi Ito. Em Je danse parce que me méfie des mots, a anatomia da relação entre pai e filha, foi, ainda, pretexto para uma deambulação autobiográfica: os paradoxos experimentados ao revisitar as próprias origens, humanas e culturais, após dez anos passados na Europa e EUA.

Tal como Keersmaeker, Kaori Ito partiu das palavras: uma lista de perguntas que dirigiu ao pai, endereçou a si mesma, e outras indagações sobre a vida. Um extenso catálogo de interrogações, proferido em off, repetido ao vivo, e projectado ao fundo do palco ao longo da peça.

Na performance Kaori Ito  (re)constrói  a sua própria história, os processos de separação-individuação, enquanto pessoa e artista. Mas, ao invés do pretendido, esta dança que nos queria falar dos lugares onde a palavra não chega, acaba refém do verbo; pouco acrescenta (excepção para os jogos de presença/ausência dos corpos, enquanto o eco das palavras paira sobre a cena) ao universo por ele criado. Se o potencial da intérprete é evidente, requereria uma direcção externa, também no que à dramaturgia (de uma previsibilidade a raiar o ingénuo) diz respeito. Je danse…não deixa, contudo, de ser um curioso ensaio auto-etnográfico, a deixar visível o quanto os debates identitários do nosso tempo se inscrevem no corpo, e no modo como este se relaciona com a dança.