Querido Diário
Foto
Querido Diário

Pornografia para românticos

"Querido Diário" estará disponível para ler e responder a perguntas em formato de consultório desavergonhadamente sentimental. Aguardo correspondência

Querido diário:

Eis-me entre o rumor das corujas e a certeza dos gatos com cio, escrevendo para cansar os olhos e apressar o sono...

Por aqui a vida leva-se por debaixo da lua, as mãos frias e o peito em guerra. Talvez a qualquer momento, entre dois fôlegos, possa rebentar com uma mina escondida na aorta. De olhos fechados e em jeito de oração digo o teu nome baixinho - assim é o amor que transforma um simples nome comum num tesouro.

PÚBLICO -
Foto
Querido Diário

Lembro-me de me chamares cestinha de gatos bébés, a ironia nos olhos brilhantes de quem atinge uma definição exacta.

Tu eras a minha caixa de sapatos vazia. Encontrei-te o nome mal nos conhecemos e tu acenaste, com a certeza de que eu tinha desvendado um mistério.

Eras tu ainda um escuteiro e eu uma menina de tranças, recordas-te?

Imagino agora que se aproxima o teu aniversário como gostaria de deixar umas palavrinhas nos classificados, algures entre o Professor Bambo e e os anúncios de relax : 'Cestinha de gatos bébés sente saudades de caixa de sapatos vazia'.

Sou talvez um enredo de confusão, uma agulha no palheiro - quando me imagino tosca, saio sofisticada, quando vejo uma lady é apenas um reflexo nervoso que me engana, tremelicante: com atenção espreito uma mulher desarrumada. De si mesma e das suas coisas. Tenho sido uma máquina que não empena, fiável para o riso e para o trabalho, enquanto duram as horas do dia e que vai falhando ao ritmo a que se acendem as luzes nas ruas e se escondem os corpos para lá da margem que é a casa de cada um.

Simulo com algum sucesso compreender esta realidade e finjo nem tropeçar nesta crueldade pequenina. Sustenho a respiração quando penso no que me impede de te seguir.

É saber que este desejo dura um suspiro e que sou dada a precipícios. Sou eu a querer libertar a lingua, a boca, a vida.

A dizer em voz alta 'meu amor', uma última vez.

Vou amanhecendo entre memórias e suspiros,num limbo entre estar possuída ou descarnada pela tua ausência.

Tenho a ligeira impressão que se me rasgassem hoje da cabeça aos pés, ao invés de tripas saíam corações.

Afago as minhas impossibilidades e deixo para segunda-feira as preocupações com a sanidade.

p.s. "Querido Diário" estará disponível para ler e responder a perguntas em formato de consultório desavergonhadamente sentimental. Aguardo correspondência em [email protected]