Pixabay
Foto
Pixabay

Prémio das Indústrias Criativas já tem candidaturas abertas

Tens um projecto de negócio ou uma empresa em fase de expansão? Os 25 mil euros do Prémio Nacional das Indústrias Criativas podem ajudar à sua concretização. Candidaturas abertas até 15 de Março

Pelo oitavo ano consecutivo, o Prémio Nacional das Indústrias Criativas (PNIC) tem 25 mil euros para o melhor projecto de negócio apresentada por empreendedores em território português.

“Distinguir, apoiar e promover projectos lusos”, sejam serviços ou produtos, é o objectivo do PNIC, lê-se no comunicado de apresentação do prémio. O concurso está dividido em quatro categorias temáticas dentro das indústrias criativas: arquitectura e artes visuais, música e artes do espectáculo, conteúdos e novos média e turismo e património.

Os interessados — que devem ter mais de 18 anos — podem concorrer individualmente ou em grupo, com projectos de negócio ou empresas já constituídas em fase de expansão. As candidaturas, abertas até 15 de Março, podem ser submetidas online ou apresentadas numa das sessões do “roadshow” que vai passar por várias cidades portuguesas, com datas a confirmar em breve.

A “diferenciação pela criatividade e inovação” e o “potencial económico e níveis de empregabilidade” são alguns dos critérios que o júri avaliará. O nome do projecto vencedor será anunciado em Julho.

Em cima da mesa — além dos 25 mil euros para investimento — estão “workshops” de empreendedorismo criativo para os finalistas, bem como apoio dos parceiros do concurso (a ADDICT, a Agência Nacional de Inovação, a ANJE, a ESAD, entre outras entidades). Como já vem sendo hábito, o vencedor vai ainda representar Portugal na “Creative Business Cup”, na Dinamarca.

A marca de conservas portuguesas Miss Can venceu o PNIC em 2015, ano em que também o ateliê de cariz humanitário Cross Hands Architecture recebeu uma menção especial do júri. Desde 2008 que a iniciativa promovida pela Super Bock e Fundação Serralves já apoiou mais de 60 projectos, responsáveis pela criação de mais de 350 postos de trabalho.

Sugerir correcção