Família Mota reforça participação no capital e na gestão da construtora

Compra recente de acções próprias e de accionistas de referência envolvem investimento de 4,7 milhões de euros em pouco mais de dois meses.

Foto
António Mota, presidente do grupo de construção, esclarece funções de Paulo Portas

Em pouco mais de dois meses, período em que as acções da construtora sofreram fortes desvalorizações, a Mota-Engil fez mais de duas dezenas de comunicações ao mercado a dar conta de compras de acções por parte de dirigentes, num investimento superior a 2,7 milhões de euros, que sobe para mais de 4,7 milhões se for considerada a aquisição de acções próprias.

Este investimento acontece numa altura em que a família também reforça a sua influência na gestão, com a entrega da presidência da Mota-Engil-África, uma das geografias estratégicas do grupo, a Manuel António Mota, filho do actual chairman da construtora, António Mota.

As recentes aquisições de acções por parte da Mota Gestão e Participações SGPS (MGP), e directamente por membros do conselho de administração reforçam ainda mais a participação da família, que controla agora 63,11% (imputáveis à FM – Sociedade de Controlo SGPS), mais seis pontos percentuais que os 57,16% que representavam em finais de Novembro. Neste período, foi realizado um aumento de capital, ainda na sequência da retirada da Mota-Engil África de bolsa, de que resultou boa parte do reforço da participação da MGP e consequentemente da FM – Sociedade de Controlo.

A MGP, de que é accionista António Manuel Queirós Vasconcelos da Mota (chairman da Construtora), e as irmãs Maria Manuela Queirós Vasconcelos Mota dos Santos, Maria Teresa Queirós Vasconcelos Mota Neves da Costa e Maria Paula Queirós Vasconcelos Mota de Meireles, realizou o maior investimento em Dezembro, no valor aproximado de 1,4 milhões de euros, de acordo com um cálculo realizado pelo PÚBLICO a partir do valor médio dos maiores negócios.

Em Janeiro, as compras, terão ascendido a perto de um milhão de euros, o que eleva o investimento total desta holding a 2,4 milhões de euros. Especialmente nas operações realizadas pela MGP verificou-se um número muito elevado de negócios em bolsa, envolvendo um pequeno número de acções, às vezes na ordem das dezenas, ou até mesmo uma acção, o que elevou os custos de aquisição.

Já em Fevereiro adquiriu mais 120 mil acções, a 1,420 euros cada, o que representou um investimento de 160 mil euros.

Nas compras realizadas por membros da família, o mais activo foi o presidente do grupo, que em Dezembro adquiriu 40 mil títulos, e em Janeiro mais 38 mil, por um valor próximo dos 128 mil euros. No final destas compras, o gestor passou a deter 5,471 milhões de acções, correspondentes a 2,3% da construtora.

Em menor quantidade, mas também no lado das compras estiveram outros membros da administração, designadamente Maria Paula Queirós Mota de Meireles (10 mil acções, sendo titular de uma participação de 1,89% do capital da construtora), e Carlos Mota dos Santos (30 mil acções) e Maria Sílvia Vasconcelos Mota (30 mil acções). O conjunto destes investimentos aproximou-se dos 100 mil euros.

A comprar muitas acções tem estado a Mota-Engil, em número que superou os 700 mil títulos em Janeiro, num investimento superior a um milhão de euros. Já no corrente mês, a Mota-Engil anunciou a compra de mais 782 mil acções, por um valor que deverá ter ficado próximo de um milhão de euros. Com estas aquisições, a empresa passou a deter cerca de 3,1 milhões de acções próprias, correspondente a 1,32% do capital.

Estas compras, numa altura de forte desvalorização do título, pretendem dar um sinal de confiança ao mercado. Aliás, a 18 de Janeiro, dia em que a negociação das acções foi suspensa, por perdas superiores a 20%, António Mota, presidente da empresa e um dos membros da família que mais acções tem comprado individualmente, disse ao Diário Económico lamentar “não ter liquidez para comprar as acções todas”.

Mas se, por um lado, a compra das acções é um sinal de confiança, por outro lado, também contribui para reduzir o capital disperso (free-float), o que prejudica o título e deixando-o ainda mais vulnerável a movimentos especulativos.

A forte desvalorização acumulada pelo título, que só este ano perde 26%, é atribuída à exposição a Angola, ao elevado endividamento e a movimentos especulativos. Actualmente há duas posições relevantes a descoberto, num total de 2,03% do capital, dos fundos Blackrock Investement Management (1,2%) e FIL Fund Limited (0,83%). Ou seja, estes fundos pediram acções emprestadas da Mota-Engil, a apostar na sua descida. Assim, a venda destes títulos e a posterior recompra a um valor inferior potencia uma mais-valia (através do short selling) ao fundo.

Para travar a desvalorização das acções, o grupo tem em curso a venda de alguns activos, com vista a reduzir o endividamento, e tem estado a diminuir o peso de África, através da aposta noutras geografias.

Ainda em relação a África, a empresa tem está a proceder a alterações orgânicas e de gestão, de que resultou a substituição de Gilberto Silveira Rodrigues da presidência executiva da Mota-Engil África e a nomeação de Manuel António da Fonseca Vasconcelos da Mota. Manuel António da Mota foi Administrador da Mota-Engil Angola, o maior mercado da região, e o mais penalizado pela crise do petróleo, tendo sido presidente executivo da Mota-Engil Central Europa.