Debaixo de bombas, Alepo prepara-se para um cerco inclemente

Se muitos sírios fogem em direcção à Turquia, muitos milhares mais ficam para trás, encurralados na cidade que Assad quer reconquistar pela submissão.

Foto
Crianças no lado sírio da fronteira com a Turquia Bulent Kilic/AFP

Entre 30 e 35 mil pessoas estão amassadas junto à fronteira fechada da Turquia no Norte da Síria, muitos milhares mais estão a caminho, mas em Alepo, aquela que era antes da guerra a maior cidade do país e o seu coração económico, há centenas de milhares de civis que não estão a ir a lado nenhum.

São os mais pobres dos mais pobres, os mais fracos, os que já perderam a esperança de viver um dia sem guerra. Serão cerca de 350 mil e estão espalhados pelas zonas da cidade e dos subúrbios controladas pelas forças rebeldes. Não arriscam a viagem até à Turquia porque sabem que ninguém está a conseguir passar para o lado de lá.

As bombas russas e sírias caem quase ininterruptamente, de tal forma que as equipas de socorro – os chamados “capacetes brancos”, que mais não são do que contingentes de voluntários que se organizaram ao longo destes cinco anos de guerra para acudir às populações civis – quase não conseguem ir para o terreno ajudar os sobreviventes e contar os mortos.

Sem jornalistas no terreno, foi através do telefone que o jornal britânico Guardian conseguiu desenhar um quadro do inferno em que Alepo se transformou nos últimos dias. E concluiu que o pior ainda está para vir.

“Às vezes há tantos bombardeamentos que ficamos aqui à espera, paralisados, sem podermos sair para a rua, com os caças permanentemente a sobrevoarem a cidade”, contou Abdulrahman Alhassan, um antigo funcionário bancário de 29 anos que coordena as brigadas de “capacetes brancos” na cidade. Na sexta-feira, ele e os seus homens contaram 900 bombardeamentos dos caças sírios e russos, no dia em que as forças leais a Assad conseguiram cortar as principais linhas de abastecimento dos rebeldes.  

O que aí vem, depois de as bombas arrasarem bairros inteiros de Alepo e arredores, teme Abdulrahman Alhassan, é um cerco por tempo indeterminado da cidade, que deixará milhões de civis entregues à fome, ao frio e ao desespero.

Os cercos prolongados de bolsas de resistência dos rebeldes têm sido usados pelas forças do regime, ao longo da guerra, para levar as populações civis ao limite e forçar a submissão dos combatentes. E se o Presidente sírio, Bashar al-Assad, tem pressa de alcançar uma importantíssima vitória simbólica com a conquista de Alepo, também sabe que isso o obrigaria a enviar milhares de soldados para combates rua a rua, o que neutralizaria a vantagem que os bombardeamentos aéreos russos lhe trouxeram e se traduziria num elevado número de baixas no seu Exército.

“Psicologicamente, estamos preparados para o cerco, já estamos à espera de que ele aconteça, mas precisamos que o mundo nos ajude”, disse ao Guardian Mustafa, outro socorrista contactado por telefone que não quis dar o seu apelido. “Armazenamos algum combustível, equipamento médico e alimentos, mas em quantidades limitadas. Só nos dá para algumas semanas”, disse. “Não conseguimos garantir a sobrevivências das pessoas que aqui ficarem presas, está para lá das nossas capacidades.”

Os que conseguiram fugir para norte tentam entrar na Turquia pelo posto fronteiriço de Oncupinar, que neste domingo permanecia resolutamente fechado. Do lado sírio da fronteira, onde quem manda ainda são as forças rebeldes, nasceu já um campo de deslocados improvisado, onde continuam a amontoar-se milhares de homens, mulheres e crianças fugidos de Alepo. Chegam com lama, frio, fome e medo. Muitos ainda vêm a chorar os mortos que deixaram para trás.

À sua espera têm equipas de voluntários de organizações humanitárias internacionais e da fundação de apoio humanitário da Turquia (IHH), que atravessaram a fronteira para o lado sírio para dar assistência aos milhares de deslocados que ali chegaram nos últimos três dias. “Estamos a fornecer abrigos, alimentos e assistência médica às pessoas, já estamos a montar um segundo campo”, disse à Reuters um responsável da IHH. “De momento, a nossa prioridade é garantir que estas pessoas ficam confortáveis no lado sírio da fronteira.”

Para os próximos dois dias espera-se que o número de deslocados naquele local passe de 35 mil para 100 mil, segundo os cálculos do ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu. A pressão para que a Turquia abra a fronteira em Oncupinar chega de todos os lados, mas este domingo o Presidente Recep Tayyip Erdogan disse aos jornalistas que tal só vai acontecer “se for necessário”. A frase é esta: “Se eles chegaram à nossa porta e não têm outra escolha, se for necessário, temos de deixar e iremos deixar os nossos irmãos entrar.”

A Turquia já alberga mais de 2,5 milhões de sírios. E é da Turquia que partem os milhares de refugiados que batem à porta da Europa Ocidental. O que está a desenhar-se para as próximas semanas é um novo drama humanitário de proporções maiores, avisam as agências humanitárias. E só estão a falar dos milhares que conseguirem fugir de Alepo. Para os que lá ficarem, adivinha-se o horror.