As Comédias do Minho declaram guerra ao D. Maria

Durante três semanas, a companhia sediada em Paredes de Coura promove uma invasão pacífica do teatro nacional. Para fazer esquecer as fronteiras da criação artística contemporânea.

Fotogaleria
Os Doze Pares de França encena um combate entre a companhia do Alto Minho e o elenco do Teatro Nacional D. Maria II ENRIC VIVES-RUBIO
Fotogaleria
ENRIC VIVES-RUBIO
Fotogaleria
ENRIC VIVES-RUBIO
Fotogaleria
ENRIC VIVES-RUBIO
Fotogaleria
ENRIC VIVES-RUBIO

Um auto popular que é uma metáfora para as próximas semanas no Teatro Nacional D. Maria II (TNDMII): são os cristãos, ao serviço do imperador Carlos Magno, que invadem as terras mouras do Almirante Balão, ou é uma companhia de teatro do Alto Minho que invade Lisboa?

O D. Maria II entra em 2016 com as portas abertas, aproximando dois territórios afastados por 400 quilómetros. Até ao próximo dia 21, o Alto Minho vive na capital. Pela primeira vez, as Comédias do Minho (companhia sediada em Paredes de Coura e cujo trabalho se desenvolve em mais quatro concelhos – Melgaço, Monção, Valença e Vila Nova de Cerveira) apresentam-se no teatro nacional. E para inaugurar as três semanas desta Ocupação Minhota estreiam nesta quinta-feira Os Doze Pares de França.

Os invasores surgem na sombra, no escuro: as cortinas estão fechadas e tudo se passa entre o público, como se dele fizessem parte, como se dali tivessem vindo. Por trás das cortinas, estão os outros. Bem apetrechados, bem vestidos, são eles que estão em casa: mouros prestes a serem conquistados à lei da espada, o elenco do D. Maria II. De fora do palco vêm as Comédias do Minho. Não dizemos elenco, porque ali está toda a máquina da companhia de teatro que para esta peça não se restringiu aos seus actores.

“É o cheiro comunitário possível desta operação", diz ao PÚBLICO João Pedro Vaz, director da companhia e encenador de Os Doze Pares de França. "Há alturas em que isto é quase uma saga proto-shakespeariana – guerra, mortos e chacina, uma história de amor pelo meio, enganos e dissimulações – e de repente tem um cheiro a auto popular, porque as quadras entram de maneira mais artificial." Incluir não-actores reforça esse cheiro: “Admito que gosto. Dá mais fragilidade a este exército feito por pessoas que estão dispostas a dar a cara e a camisola. E vai tudo em guerra.”

É uma realidade não muito diferente do dia-a-dia nesta companhia que em 2014 celebrou os seus dez anos. E dá o tom geral ao programa Ocupação Minhota: “É um espectáculo-metáfora a vários níveis. Não é só esta coisa literal da separação dos elencos”, explica o director, acrescentando que o objectivo desta peça é que “os actores das Comédias do Minho também tragam o subtexto daquele território”. “Eles são uma máquina de paisagem que vai invadir uma máquina de cena”, sublinha João Pedro Vaz, para quem a metáfora não se aplica apenas aos contrastes expostos neste espectáculo mas a toda o trabalho da sua companhia.

O encenador recorda como o director do D. Maria II, Tiago Rodrigues, desafiou a companhia, pouco depois de ter tomado posse no ano passado. Logo nessa conversa inicial surgiu a ideia de representar um auto. “Existia uma vontade de puxar para o centro um reportório bastante periférico. Um auto popular tem uma representação muito particular, normalmente não muito apropriada pela criação artística contemporânea”, argumenta João Pedro Vaz, destacando que a possibilidade de contar com parte do elenco do teatro nacional ajudou à escolha de Os Doze Pares de França. “Colocava-se em questão esta dupla experiência de elencos com contextos tão distintos.”

Para Luís Filipe Silva, o cavaleiro Oliveiros que luta em nome do Imperador Carlos Magno, a dualidade entre as duas companhias está sempre presente, mesmo que para o público isso não seja claro. “Eu sou capaz de fazer a peça toda do princípio ao fim com um subtexto em que quase tudo bate certo: efectivamente somos uma companhia do Minho e efectivamente estamos a invadir o Teatro Nacional”, conta o actor que está há nove anos nas Comédias do Minho. “Até na própria representação eles têm uma liberdade para brincar com a coisa e nós temos de trazer sempre uma sinceridade, uma coisa mais contida, mais telúrica.”

Quando perguntamos, tanto ao actor como ao encenador, qual a importância para uma companhia como as Comédias do Minho de se apresentar no D. Maria II, as respostas são quase sincronizadas: é tão importante para a companhia como para o TNDMII. “Obviamente que é sempre um reconhecimento, mas acho que é um reconhecimento dos dois lados”, aponta Luís Filipe Silva. “Nós existimos porque existe uma responsabilidade de equilibrar as coisas.” 

João Pedro Vaz explica: “Nós temos reforçado muito esta ideia de que a centralidade e a periferia são conceitos a discutir e a rever. Queremos chamar a atenção também para este facto de o TNDMII de repente ir a espaços que são totalmente periféricos à área de actuação normal de um teatro nacional. Portanto: isto também é político.”

O director destaca o impacto da companhia na zona onde actua. “É avassalador, nós chegamos todos os anos a um quarto da população residente nos meses de época baixa”, diz, defendendo que este projecto, pensado para os locais, “é uma inversão total da lógica hierárquica grande/pequeno, central/periférico”. Luís Filipe Silva destaca ainda a forma como a companhia tem trabalhado no Alto Minho, “sem concessões”. “Quando chegámos ao Minho, as pessoas não estavam habituadas a ter uma oferta cultural, não estavam habituadas a ver teatro, mas nem por isso são desprovidas de sensibilidade ou inteligência”, defende, explicando que teria sido mais simples “ceder a uma certa coisa comercial”. Nunca aconteceu: “Fomos sempre apostando por outras coisa: já apresentámos espectáculos de dança contemporânea, espectáculos mais conceptuais e também coisas mais directas. Temos a responsabilidade de trazer uma diversidade de estéticas.”

E é essa diversidade que a Ocupação Minhota reproduzir em Lisboa. Além de Os Doze Pares de França, vai ser possível ver o espectáculo de marionetas Não Lugar e a peça infantil Tudo se Transforma; uma oficina, Criação e Território, abordará em profundidade todo o trabalho a que a companhia se dedica a tempo inteiro, quando Lisboa não está a ver.

Depois do teatro nacional, as aldeias

Nenhum trabalho das Comédias do Minho pode ser dissociado do território onde actuam. E por isso o espectáculo que nesta quinta-feira estreiam no Teatro Nacional D. Maria II é só uma versão daquele que se apresentará no universo a que a companhia pertence, o das aldeias minhotas. Depois da estreia em Lisboa, Os Doze Pares de França segue para a sua habitual digressão pelos cincos concelhos do Alto Minho que financiam as Comédias (Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença, Vila Nova de Cerveira), de 25 de Fevereiro a 2 de Abril. “É uma dupla experiência: o que é inédito para nós aqui será inédito para eles lá”, diz o director e encenador João Pedro Vaz. “O espectáculo vai ter uma escala completamente diferente. Aquilo que no D. Maria fica como uma imagem de outro lugar identifica-se lá com as pessoas”, explica, contando que nas sessões minhotas os não-actores serão substituídos por espectadores. “O público vai participar deste exército, há-de ser uma coisa muito mais 'serão de teatro' do que o espectáculo de Lisboa.”

Mas este é apenas um dos destaques da programação para esta temporada, que a companhia apresenta também esta quinta-feira em Lisboa. Uma programação que continuará a aposta feita em 2015 de apresentar espectáculos dos seus criadores residentes – os actores da companhia. “Todos eles vão ter uma criação e por isso estes dois anos serão no fundo uma revisão da matéria dada”, explica João Pedro Vaz. “Fizemos os dez anos e agora temos uma bolsa de artistas que tem conhecimento do território. São dois anos em que se projecta o futuro. É uma espécie de aposta para a segunda década."