Indústria do café apoia redução da dose de açúcar nas saquetas individuais

Direcção-Geral da Saúde vai ainda reunir com a indústria refinadora e a medida entrará em vigor no primeiro semestre deste ano.

Alterações na taxa do IVA afectaram mais de 20% dos bens de grande consumo, incluindo o café
Foto
Alterações na taxa do IVA afectaram mais de 20% dos bens de grande consumo, incluindo o café Rui Gaudêncio

Na sequência de uma reunião entre a Associação Industrial e Comercial do Café e a Direcção-Geral da Saúde (DGS) esta sexta-feira, a Secretária Geral da Associação, Cláudia Pimentel, confirmou o apoio dos empresários do café à proposta da DGS para reduzir a quantidade de açúcar nas saquetas individuais, que normalmente acompanham o café, para cinco gramas.

Em comunicado, a associação justifica que irá colaborar com a DGS para prevenir doenças crónicas como o diabetes tipo 2 e incluir mensagens de sensibilização para o consumo de açúcar nas saquetas. A DGS adianta que será ainda elaborado um protocolo entre as entidades para formalizar a parceria.

Na próxima segunda-feira, a DGS irá ainda reunir com os representantes das associações dos refinadores e embaladores para chegar a acordo. Esta é uma das medidas que integram as directivas do governo previstas para os primeiros 100 dias de governação a entrar em vigor até ao final do primeiro semestre deste ano.

Em causa está a proposta que a DGS remeteu ao Ministério de Saúde no início do ano para limitar a três ou quatro gramas a quantidade de açúcar nas saquetas individuais que normalmente contêm oito e tornar obrigatório que estes sejam disponibilizados aos clientes apenas se o pedirem. A medida terá ainda de passar pelo Ministério da Economia, e integra um conjunto de propostas do programa da Direcção-Geral da Saúde “Uma nova ambição para a saúde pública”, que pode vir também a implicar o aumento das taxas em produtos com excesso de açúcar.

Um refrigerante, cinco saquetas

Este comunicado surge no mesmo dia em que a associação de defesa do consumidor, DECO, divulgou os resultados de um estudo sobre as quantidades de açúcar nos alimentos equivalentes às saquetas de açucar comuns.

Numa análise a 84 amostras de 28 tipos de alimentos, a DECO conclui que um terço de uma barra de cereais é açúcar e uma embalagem de 330 mililitros de néctar de pêssego contém a mesma quantidade de açúcar que 4,8 saquetas - quase o mesmo acontece com uma lata de refrigerante.De acordo com o estudo, um leite achocolatado corresponde em média a três saquetas, e uma gelatina ultrapassa as duas.

A Deco recorda que um adulto necessita em média de duas mil calorias por dia e não deve, por isso, consumir mais de 50 gramas de açúcares, o que equivale a sete pacotes, e que “ as recomendações da Organização Mundial de Saúde até apontam para benefícios adicionais na redução deste consumo diário para metade.”

A associação chama ainda a atenção para a rotulagem dos alimentos, que muitas vezes menciona sacarose, glucose, mel ou dextrose em vez de “açúcar.” A Deco sugere por isso que a legislação deveria ser melhorada, nomeadamente com a imposição de um sistema de cores "tipo semáforo que poderia dar ao consumidor a percepção imediata do quão elevada é a presença de açúcar, sal e gordura nos alimentos.” 

Texto editado por Andrea Cunha Freitas