Kevin Lamarque/Reuters
Foto
Kevin Lamarque/Reuters

Petição quer acabar com venda de animais em sites de classificados

A Garra e a Amover, duas associações de apoio animal, lançaram uma petição pública online contra a divulgação de anúncios de venda de animais em plataformas de classificados. Comércio descontrolado deve ser travado, defendem

“Os animais não devem ser alvo de um comércio que não só coloca algumas espécies em risco de extinção como contribui para a proliferação de crimes de maus tratos a animais.” A frase faz parte do texto de uma nova petição pública online “contra a divulgação de anúncios de classificados sobre animais em páginas da Internet como o OLX”, lançada por duas associações sem fins lucrativos.

A petição — que já conta com quase 4.000 assinaturas e é dirigida ao presidente da Assembleia da República, entre outras entidades — quer acabar com os anúncios de venda de animais domésticos e exóticos sem controlo das “autoridades competentes” e a preços não regulados. “É imperiosa uma mudança que passe a respeitar as suas necessidades físicas e comportamentais, de acordo com a espécie”, escrevem as associações Garra e Amover.

Nas plataformas de classificados online existem anúncios de venda de espécies proibidas em Portugal ou que necessitam de documentação específica. “Falamos, sobretudo, de primatas como saguis e macacos, mas também de carnívoros de grande porte”, continua o texto. A Garra e a Amover pretendem ver o Instituto para a Conservação da Natureza e Florestas e o Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente, da GNR, envolvidas na fiscalização destes classificados: “Esta situação é incompreensível e lamentável e necessita de ser alterada urgentemente”.

PÚBLICO -
Foto
Exemplo de anúncio de venda e troca de um cão, descrito na petição pública Clica na imagem para a aumentar

A petição não se limita a falar de animais de espécies exóticas. Cães e gatos, anunciados por “pessoas que fazem criação sem condições de higiene e saúde”, são colocados à venda sem estarem vacinados ou desparasitados, pelo que o seu caso deveria ser incluído “na próxima revisão da lei dos maus tratos a animais”, aprovada em Outubro de 2014.

Na Internet circulam ofertas de animais em troca de outros animais, veículos ou “gadgets”, como “se de objectos se tratassem”. “Esta é uma imagem degradante que vai contra uma sociedade que se quer mais desenvolvida e preocupada com o bem estar animal”, consideram as associações.