Maria de Belém: as caravelas, os tremoços e os afectos

Na Tocha, candidata passa no seu terceiro teste de popularidade.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Uma mulher emocionou-se ao ver passar Maria de Belém, que conhece apenas da televisão. Lurdes Taborda Rodrigues cruzou-se, neste domingo de manhã, com a candidata presidencial já no final da visita à famosa feira da Tocha, no concelho de Cantanhede. Esta reformada fala de Maria de Belém com muito afecto e diz que se surpreendeu a ela própria por se ter emocionado. “Nunca pensei vê-la pessoalmente, mas gosto muito de a ouvir na televisão e acredito que pode chegar à Presidência”, afirma Lurdes Taborda que tem a sua vida ligada à confecção de carnes, numa empresa de Condeixa, no distrito de Coimbra.

Mas a passagem pela Tocha da candidata à Presidência da República, que teve na feira a sua melhor performance em termos de popularidade, fez-se de outros momentos. A visita era de Maria de Belém, mas os carros de propaganda que circulavam na altura da chegada da candidata junto à feira eram os de Sampaio da Nóvoa. E isso gerou a confusão junto de alguns eleitores menos esclarecidos. Uma senhora já idosa, que chegou numa bicicleta eléctrica com um atrelado atrás, abeirou-se do grupo de jornalistas que estão a cobrir a campanha da ex-presidente do PS e perguntou a um deles: “O senhor é o Sampaio da Nóvoa, não é?” Apanhado de surpresa, o jornalista resiste a uma gargalhada e diz: “Não, não sou”. E ela responde prontamente: “É, é”. E a caravana de Belém partiu para a visita à feira, onde Maria de Belém distribuiu beijos, muitos beijos, e abraços, mas também ouviu palavras de conforto para que a segunda volta não lhe escape.

Um comerciante aproveitou a passagem da candidata para dar publicidade à sua banca. “Está aqui Maria de Belém, é aqui que compra bem”, atirava o feirante de etnia cigana, tentando chamar a atenção das pessoas. Entre apertos e encontrões, a visita foi-se fazendo de uma forma animada com Maria de Belém a passar no teste de popularidade. Uma vendedora de tremoços, chamou-a, pedindo que os provasse. “Já está a seguir as regras da Direcção-Geral de Saúde de usar pouco sal”, disse a ex-ministra da Saúde, que chamou o médico e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Fernando Regateiro, para legitimar as suas palavras. O médico confirmou que sim e também saiu de lá com um saco de tremoços, que distribuiu pela comitiva. "Estes tremoços são famosos. São temperados nos Olhos da Provença, uma nascente natural no concelho de Cantanhede”, explicou o professor.

Seguiu-se uma prova de salpicões. Uma vendedora convidou Maria de Belém a prová-los. “É produção caseira. São feitos pelo meu filho e pela minha nora”, explicou, revelando que os que vende todas as semanas na feira da Tocha são feitos em Mira.

Mais à frente, um idoso, um pouco inconformado com a vida, abordava a candidata para lhe dizer: “De Belém saíram as melhores caravelas para o mundo, esperemos que vá para Belém e trata de nós, que estamos fartos de ser explorados. Não há justiça neste país”.

Embalada pelo entusiasmo e afectividade das pessoas, particularmente das mulheres, a candidata à Presidência da República, que quer disputar a segunda volta das eleições, acredita que passou no teste da Tocha, onde teve o seu melhor desempenho em termos de campanha. Apesar de o concelho ser maioritariamente de direita.