Para Paulo Gonçalves o Dakar acabou no hospital

Queda deixou piloto português da Honda inconsciente e ditou o seu abandono à 11.ª etapa.

Foto
Frank Fife/Pool (Reuters)

As aspirações nacionais a um bom resultado no Dakar 2016 esfumaram-se com o abandono de Paulo Gonçalves durante a 11.ª etapa. O piloto português da Honda sofreu mais uma queda, esta com alguma gravidade, e teve de ser transportado de helicóptero para o hospital mais próximo. Gonçalves foi encontrado inconsciente ao quilómetro 118 da especial desta quinta-feira e seguiu para a unidade hospitalar, onde foi observado. “Paulo Gonçalves recuperou a consciência e apresentava fortes dores de cabeça na chegada ao hospital, onde foi observado pela equipa médica que lhe viria a diagnosticar um traumatismo craniano moderado”, adiantou a assessoria de imprensa do piloto português.

A equipa Honda confirmou através da rede social Twitter o abandono de Paulo Gonçalves, que tinha partido para a 11.ª etapa no quarto lugar da classificação geral (e não no terceiro, devido a uma pesada penalização que lhe foi aplicada pela direcção de corrida, relativa ainda às circunstâncias da nona etapa, em que Gonçalves esteve praticamente fora de prova devido a problemas mecânicos). O piloto português somou um triunfo em etapas na presente edição do Dakar e foi primeiro da geral durante quatro dias. Depois de em 2015 ter sido segundo classificado no mítico rali, Paulo Gonçalves era apontado como um dos favoritos à vitória, numa edição em que não há anteriores vencedores em prova nas motos.

“Terminei da pior forma este Dakar”, lamentou Paulo Gonçalves, em declarações reproduzidas pela sua assessoria de imprensa. “Ao que parece, tive uma queda forte e a verdade é que não me recordo do que se passou. Disseram-me que consegui seguir com a mota até uma zona de público e ambulâncias. É um Dakar que termina da pior maneira, é lamentável para mim e para a equipa. Merecíamos muito mais. Mas a competição é assim, algo não estava a ir bem nos últimos dias. Termino da pior maneira, mas é preciso seguir em frente e em breve voltaremos a competir”, acrescentou.

Hélder Rodrigues passa a ser o português mais bem classificado no Dakar, com a sexta posição na geral, a mais de uma hora do líder. O piloto da Yamaha terminou a 11.ª etapa no quarto lugar, com uma diferença de 6m02s em relação ao francês Antoine Méo (KTM), que obteve a segunda vitória em etapas do Dakar. A geral continua a ser comandada pelo australiano Toby Price (KTM), que ampliou para 35m23s a vantagem sobre o segundo classificado, Stefan Svitko (KTM). “Não vou cantar vitória até cruzar a meta no último dia. Foi um dia duro para as motos, com calor muito intenso”, disse Price.

Nos automóveis, Stéphane Peterhansel (Peugeot) já começou a gerir a vantagem, concluindo a etapa no quarto lugar, a 8m05s de Nasser Al-Attiyah (Mini). “Passou mais um dia e isso é bom. Começámos de forma segura e tentámos fazer a melhor navegação possível. A parte final da etapa era muito estreita, como um labirinto, e estamos contentes por ter terminado. O Dakar ainda não acabou, pode acontecer um grande problema mecânico que nos obrigue a parar e leve a vitória na geral”, alertou o piloto francês de 50 anos, que se prepara para conquistar o Dakar pela 12.ª vez – tem cinco títulos em automóvel e seis nas motos.